Segunda-feira, 8 de Fevereiro de 2010

The Road - A beleza do Fim

O Mundo desvanece-se entre a cinza que asfixia o ar. A vida esvai-se nos últimos sopros de vento. A esperança é algo que escorre pelos últimos fios de água que vão sobrevivendo ao Mundo. No meio uma estrada. Um pai. Um filho. Nenhuma esperança. O Fim aproxima-se. Mais belo do que nunca!

É dificil dizer que um filme como The Road é belo. Mas é-o. Do primeiro ao último suspiro.

Belo no notável trabalho técnico da equipa de John Hillcoat que transformou o apocalipse numa longa e doce morte. Não há aqui os cataclismos que enchem salas de adolescentes cheios de pipocas nas mãos. Há um longo definhar. Um triste definhar de um Mundo de que já quase ninguém se lembra. Não sabemos como. Nem porquê. E pouco interessa. Sabemos que a morte foi longa e lenta. Durou anos a definhar o Mundo. A desesperar o Homem. A fazê-lo questionar a sua própria natureza. A destrui-lo por dentro antes de definhar por fora. O registo seco e despiedado de Cormac McCarthy rasga as entranhas do mais optimista e cala o critica mais negativo. Sabemos que o Mundo tem uma data de validade. E no entanto, recusamo-nos a desistir. Como aquele pai, que nunca aceitou seguir o rebanho para uma morte certa. Ou para a condenação eterna. Sem cair à tentação do triste e fácil meio para a sobrevivência. Sem desesperar a ponto de abandonar o navio quando ainda havia água por baixo, este Pai, do qual nunca saberemos o seu nome - e que falta faz - traz consigo esse fogo Humano que é o traço mais belo que vamos encontrar nestra estrada perdida.

The Road é um épico emocional cuidado ao mais minimo detalhe.

Visualmente aterrador, é nos grandes planos do rosto desse pai, desse gigante Viggo Mortensen, que sentimos o palpitar do fim do Mundo. Um olhar triste, desesperado. E profundamente real. Todo o filme de Hillcoat se poderia resumir ao rosto de Mortensen. Um actor mudo numa era onde o grito ainda prevalece. Um actor que fala apenas quando é necessário com a voz mas que grita todo o filme com o olhar. Num dos seus melhores, e mais arrebatadoramente contidos desempenhos, o actor que assim culmina uma década mágica, convence-nos de que nos pode levar a sobreviver. Mesmo quando sabe que, tal como Moisés, ele nunca poderá ver a Terra Prometida. A analogia é clara a essa épica e desesperante viagem. Aos outros - ao Filho - caberá salvar um Mundo ao qual ele já não pode pertencer. Ele vem de outro planeta, como a certa altura diz ao filho. Um mundo onde uma simples lata de Coca-Cola não é um bem de luxo. Numa das cenas mais belas do ano cinematográfico ele partilha esse trago com o filho que não tem a minima noção do que tem nas mãos. O fim não poderia ser mais belo.

Há uma lágrima dentro do coração que percorre todo o filme sem cair. Aguenta as cenas de canabalismo - um retrato brutal e real de até onde pode chegar o Homem no seu definhar mais lento - a morte, a dor, o sofrimento. Aguenta a destruição. Mas já não aguenta o rosto definhar de um Homem só. Um Homem que sente que falhou na sua missão nos últimos segundos de vida, sem antecipar que o Filho, esse rosto de esperança, esse defensor dos reais valores humanos quando ele próprio já os perdeu, será resgatado. Para onde e com que destino não nos cabe descubrir. Sabemos apenas que a sua viagem não foi em vão. Em cada travelling, em cada grande plano, vivemos nesse desespero da personagem. Do Homem. De Viggo. No final queremos tapar-lhe o rosto e sussurar-lhe aos ouvidos que tudo está bem. Mesmo que já não nos ouça. Mesmo que o Mundo não tenha querido ir vê-lo. A sua viagem foi mais bela do que nunca. Mesmo que tenha acabado com o Fim.

 

Classificação -

 

Realizador - John Hillcoat

Elenco - Viggo Mortensen, Kodi Smith-McPhee, Charlize Theron

Productora - Universal

Classificação - m/16

Categorias:

Autor Miguel Lourenço Pereira às 09:42
Link do texto | Comentar | favorito
2 comentários:
De Tiago Ramos a 9 de Fevereiro de 2010 às 11:22
The Road não é um filme fácil, não é para estômagos fracos. Porque dá-nos socos e nós limitamo-nos a aceitá-los, como se arcássemos com o mesmo fardo que as personagens, como se a nossa estrada também não tivesse fim. A dada altura, talvez pedíssemos um argumento menos linear – uma explicação para tal apocalipse. Mas isso, nunca nos é dado. E nós limitamo-nos a esperar, angustiados. Angustiados. E nada mais.


De Miguel Lourenço Pereira a 9 de Fevereiro de 2010 às 14:19
Viva Tiago,

A estrada é sempre em frente, nunca interessa realmente saber o como e o quando tudo começou. Ou até mesmo, o que é isto que nos rodeia na viagem. Só seguir em frente, com uma réstia de esperança de que nem os cegos abdicam. É um dos filmes mais poderosos e intensos de toda a década.

um abraço


Comentar post

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

.Fundamental.

EnfoKada

.Janeiro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


.Ultimas Reviews

Midnight in Paris -
The Ides of March -
A Dangerous Method -
Tinker Taylor Soldier Spy -
Drive -

.Classificação

Excelente-
Muito Bom-
Bom -
Aceitável-
Evitar-

.Pesquisa

 

.Ultimas Actualizações

. Por uma definição justa d...

. Oscarwatch - Melhor Filme...

. Oscarwatch - Melhor Argum...

. Oscarwatch - Melhor Actor...

. Oscarwatch - Melhor Actri...

.Do Autor

Em Jogo

.Categorias

. biografias

. cinema

. corpos...

. estreias

. festivais

. historia opinião

. mitos

. noticias

. obituario

. opinião

. oscares

. oscarwatch 2008

. oscarwatch 2009

. oscarwatch 2010

. oscarwatch 2011

. premios

. reviews

. rostos

. that´s the movies

. trailers

. todas as tags

.Blogs

35mm
7CineArt
A Gente Não Vê
A Última Sessão
Action Screen
Alternative Prision
Ante-Cinema
Antestreia
A Última Sessão
Avesso dos Ponteiros
Bela Lugosi is Dead
Blockbusters
Cantinho das Artes
Cine31
CineBlog
CineLover
CinemeuBlog
CineObservador
CineRoad
CineLotado
Cinema is My Life
Cinema Notebook
Cinema´s Challenge
Cinema Xunga
Cinematograficamente Falando
CinePT
Close Up
Cria o teu Avatar
Depois do Cinema
Dial P for Popcorn
Ecos Imprevistos
Estúpido Maestro
Febre 7 Arte
Final Cut
Grandes Planos
Gonn1000
Grand Temple
High Fidelity
In a Lonely Place
Jerry Hall Father
Keyser Soze´s Place
Maus da Fita
Movie Wagon
Mullolhand CineLog
My One Thousand Movies
My SenSeS
Noite Ameriana
Ordet
O Homem que Sabia Demasiado
O Sétimo Continente
Os Filmes da Gema
Pixel Hunt
Pocket Cinema
Portal do Cinema
Royale With Cheese
Split Screen
The Extraordinary Life of Steed
Um dia Fui ao Cinema
Voice Cinema



.Sites

c7nema
CineCartaz
Cine Estação
Cinema2000
Cinema-PT Gate
DVD Mania
DvD.pt
Em Cena
Lotação Esgotada
Cine História
Cinemateca Lisboa
Eu sou Cinéfilo
Portal Cinema

American Film Institute
British Film Institute
Cahiers du Cinema
Cinémathèque Francaise
Directors Guild of America
Internet Movie Database
Motion Picture Association
Screen Actors Guild
Screen Writers Guild
Sight and Sound
Telerama

Box Office Mojo
Coming Soon
Dark Horizons
Hollywood Reporter
JoBlo
Latino Review
Movie Poster

Premiere
Rope of Silicone
Rotten Tomatoes
Slash Film

Sun Times Chicago

Variety

.Premios e Festivais

Cesares
European Film Awards

Golden Globes
Goya

Oscares

Animation Film Fest
European Film Festival
Festival de Berlim
Festival de Cannes
Festival de S. Sebastian
Festival de Sundance
Festival de Veneza
Roma Film Festival
São Paulo Film Fest
Sitges Film Festival
Toronto Film Festival

Algarve Film Festival
Ao Norte!
Avanca
Black and White
Caminhos
Cinamina
Corta!
Curtas Vila do Conde
DOCLisboa
Fantasporto
FamaFest

Festroia

FIKE
Funchal Film Fest
Imago
Indie Lisboa
Ovar Video

.Oscarwatchers

And the Winner is...
Awards Daily
In Contention
Golden Derby
MCN Weeks
The Envelop
The Carpetbagger
Thompson on Hollywood

.Arquivos

. Janeiro 2013

. Fevereiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

.subscrever feeds