Sábado, 1 de Novembro de 2008

Vemo-nos no ecrãn...

Durante décadas foi a estrela mais brilhante do firmamento. Há pouco mais de um mês, a estrela apagou-se. Mas tal como só milhões de anos luz depois de suceder conseguimos descubrir a morte de uma estrela, também só daqui muitos e muitos anos se poderá olhar para o céu e não ver bem presente a aura de um actor universal. Um tal de Paul Newman!

 

Não queria ficar para a história pelos seus olhos azuis. Uma vez Lee Strasbeg, director da escola de representação Actor´s Studio, disse que a sua beleza não lhe permitia chegar ao nível de Brando. Um fantasma sempre presente na sua carreira, mas um fantasma, que hoje, olhando para trás, pode ver-se que foi facilmente ultrapassado. Newman não teve uma carreira de metamorfoses (como James Stewart), nem passou os anos a fazer versões mais ou menos convincentes do mesmo tipo de personagem (como o “duro” Bogart). E não sofreu com os altos e baixos (a pique) como lhe passou a Brando.

 

 

Paul Newman foi provavelmente um dos actores mais completos da história do cinema. E não apenas porque é preciso ir buscar mais do que os dedos das mãos e pés para encontrar papeis memoráveis seus ao baú das recordações. As suas múltiples “personas” ajudaram igualmente a imortaliza-lo como algo mais do que uma estrela cintilante da constelação de Hollywood. Mas é provavelmente na sinceridade e honestidade com que Newman viveu a sua vida (e a sua carreira), que o fazem destacar imediatamente dos demais. Nunca foi o verdadeiro herói nem provou o papel de vilão. Viveu sempre no limbo. Sempre na percepção de que, tal como na vida, também no cinema não devem existir verdades absolutas. Nem Bem, nem Mal. O Ser Humano é mutável, os valores são pessoais, e as suas personagens sempre se moldaram pelo mistério. Do sentimento e da alma. O sorriso matreiro e o corpo de heroi grego escondiam muitas vezes personagens a viver intensos conflitos interiores. Newman triunfou porque foi o primeiro actor a gritar claramente que não é necessário ser o “bonzinho” ou o “duro com bom coração” para que conquistar o público. O que é preciso é ser-se honesto consigo próprio.

 

As suas personagens mais icónicas (Billy the Kid, “Fast” Eddie Felson, “Cool Hand” Luke Jackson, Frank Galvin, Sully Sullivan, …) estão marcadas de defeitos por todos os lados. Fanfarrões, bebados, arrogantes, egocentricos…estão muito longe do tipico herói capriano, mas também do anti-herói do cinema negro ou do “confuso” modelo a seguir pelo actores do Studio.

Newman herdou de todos eles facetas particulares e moldou-as à sua medida.

O seu rosto inspirava a mesma confiança que era habitual encontrar nos herois clássicos (como Gary Cooper) e isso valeu-lhe muitas criticas…criticas até dele próprio, que se queixava de que muitas vezes a sua beleza tinha-o impedido de ir mais além. Mas a sua postura em camara bebia claramente dos ensinamentos que teve de Lee Strasberg e da sua equipa. Só que Newman não vive em pleno confronto consigo próprio, como acontecia com Brando e Dean (dois nomes com quem se comparou sempre apesar de…não haver comparação possível, aparte da origem). As personagens de Paul Newman, o actor, assumiam quem eram do principio ao fim. Essa honestidade fe-lo ainda mais grande, porque permitiu perceber que para se ser um grande actor não era necessário encher-se as bochechas de algodãou ou, pelo contrário, de reduzir à minima expressão facial uma performance. Para ser-se um grande actor bastava com ser-se humano.

 

Paul Newman foi sempre humano. No ecrãn e fora dele. A vida que levou é uma história de sucesso sem precedentes. Casado 50 anos com a mesma mulher (Joanne Woodward), que conheceu quando estudava no Actor Studio, Newman conseguiu sempre escapar ao “terramoto emocional” que é o mundo do espectáculo. A sua origem não era a do humilde da provincia ou do conflictivo filho dos bairros sociais. Podia ter sido muitas coisas. Piloto de corridas (chegou a ficar em segundo lugar nas 24 Horas de Le Mans e era dono de uma das maiores equipas dos campeonatos Indy), empresário (a sua empresa de comida Newman´s Own é uma das mais bem sucedidas dos EUA) ou até modelo. Escolheu ser actor. Mas acabou sempre por ser muito mais do que isso. A sua (quase) desconhecida faceta como cineasta esconde um homem com uma profunda sensibilidade dramática tanto atrás como à frente das camaras. Rachel, Rachel (1968), The Effect of Gamma Rays on Man-in-the-Moon Marigolds (1972) ou The Glass Menagerie (1987) são alguns dos mais apaixonantes filmes realizados nos últimos 40 anos e espelharam bem que para lá do Newman estrela, havia muitos mais por descubrir.

 

É irrelevante fazer uma lista dos filmes ou dos papeis que fizeram de Paul Newman um dos “grandes”. A sua morte é física. Como todos, também Paul Newman não escapou à sua hora. Mas se todos morremos, muito poucos são aqueles que se conseguem tornar imortais. Paul Newman é um desses homens. Conquistou a imortalidade a pulso e merece-a como nenhum outro. Foi-se o homem. O actor, esse, ficará para sempre plasmado no ecrãn, a olhar-nos profundamente com aqueles olhos azuis pelos quais não queria ser lembrado!

Categorias:

Autor Miguel Lourenço Pereira às 13:53
Link do texto | Comentar | favorito

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

.Fundamental.

EnfoKada

.Janeiro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


.Ultimas Reviews

Midnight in Paris -
The Ides of March -
A Dangerous Method -
Tinker Taylor Soldier Spy -
Drive -

.Classificação

Excelente-
Muito Bom-
Bom -
Aceitável-
Evitar-

.Pesquisa

 

.Ultimas Actualizações

. Por uma definição justa d...

. Oscarwatch - Melhor Filme...

. Oscarwatch - Melhor Argum...

. Oscarwatch - Melhor Actor...

. Oscarwatch - Melhor Actri...

.Do Autor

Em Jogo

.Categorias

. biografias

. cinema

. corpos...

. estreias

. festivais

. historia opinião

. mitos

. noticias

. obituario

. opinião

. oscares

. oscarwatch 2008

. oscarwatch 2009

. oscarwatch 2010

. oscarwatch 2011

. premios

. reviews

. rostos

. that´s the movies

. trailers

. todas as tags

.Blogs

35mm
7CineArt
A Gente Não Vê
A Última Sessão
Action Screen
Alternative Prision
Ante-Cinema
Antestreia
A Última Sessão
Avesso dos Ponteiros
Bela Lugosi is Dead
Blockbusters
Cantinho das Artes
Cine31
CineBlog
CineLover
CinemeuBlog
CineObservador
CineRoad
CineLotado
Cinema is My Life
Cinema Notebook
Cinema´s Challenge
Cinema Xunga
Cinematograficamente Falando
CinePT
Close Up
Cria o teu Avatar
Depois do Cinema
Dial P for Popcorn
Ecos Imprevistos
Estúpido Maestro
Febre 7 Arte
Final Cut
Grandes Planos
Gonn1000
Grand Temple
High Fidelity
In a Lonely Place
Jerry Hall Father
Keyser Soze´s Place
Maus da Fita
Movie Wagon
Mullolhand CineLog
My One Thousand Movies
My SenSeS
Noite Ameriana
Ordet
O Homem que Sabia Demasiado
O Sétimo Continente
Os Filmes da Gema
Pixel Hunt
Pocket Cinema
Portal do Cinema
Royale With Cheese
Split Screen
The Extraordinary Life of Steed
Um dia Fui ao Cinema
Voice Cinema



.Sites

c7nema
CineCartaz
Cine Estação
Cinema2000
Cinema-PT Gate
DVD Mania
DvD.pt
Em Cena
Lotação Esgotada
Cine História
Cinemateca Lisboa
Eu sou Cinéfilo
Portal Cinema

American Film Institute
British Film Institute
Cahiers du Cinema
Cinémathèque Francaise
Directors Guild of America
Internet Movie Database
Motion Picture Association
Screen Actors Guild
Screen Writers Guild
Sight and Sound
Telerama

Box Office Mojo
Coming Soon
Dark Horizons
Hollywood Reporter
JoBlo
Latino Review
Movie Poster

Premiere
Rope of Silicone
Rotten Tomatoes
Slash Film

Sun Times Chicago

Variety

.Premios e Festivais

Cesares
European Film Awards

Golden Globes
Goya

Oscares

Animation Film Fest
European Film Festival
Festival de Berlim
Festival de Cannes
Festival de S. Sebastian
Festival de Sundance
Festival de Veneza
Roma Film Festival
São Paulo Film Fest
Sitges Film Festival
Toronto Film Festival

Algarve Film Festival
Ao Norte!
Avanca
Black and White
Caminhos
Cinamina
Corta!
Curtas Vila do Conde
DOCLisboa
Fantasporto
FamaFest

Festroia

FIKE
Funchal Film Fest
Imago
Indie Lisboa
Ovar Video

.Oscarwatchers

And the Winner is...
Awards Daily
In Contention
Golden Derby
MCN Weeks
The Envelop
The Carpetbagger
Thompson on Hollywood

.Arquivos

. Janeiro 2013

. Fevereiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

.subscrever feeds