Domingo, 28 de Fevereiro de 2010

Oscarwatch 2009 - Os três pequenos grandes mundos

São as três categorias que se colocam imediatamente fora das habituais contas. Fácil, são prémios especiais para filmes que raramente entram noutros concursos. E se este ano Up fez história e conseguiu a nomeação ao Óscar de Melhor Filme, a verdade é que a sua vitória entre os filmes de animação parece clara. Ao contrário da categoria principal onde a nomeação é já de si um triunfo.

 

Filme Estrangeiro (em lingua estrangeiro, melhor dito), Documentário e de Animação. Um Mundo à parte da noite louca das estatuetas douradas.

 

 

FILME ESTRANGEIRO

 

Este 2010 foi um belo ano para a história do cinema europeu com vários filmes de grande nível. Foi um ano também em cheio para o cinema sul-americano. É portanto normal que ambos os continentes controlem as nomeações a uma estatueta que nem sempre ganha o melhor, mas sim o que mais surpreende os poucos votantes que vêm de facto os cinco filmes em disputa.

 

A Academia obriga a quem quer votar nesta categoria que comprove se viu ou não a totalidade dos nomeados. E isso torna-a bastante mais interessante do que outras onde o voto muitas vezes é feito puramente com base em amizades. Un Prophete é o favorito porque é um filme com um toque subtil de cinema americano. E em Hollywood valorizam muito esse aspecto no cinema europeu. Das Weiss Band é uma grande obra, mas de uma cinema de autor, mais pessoal, e que muitas vezes choque - tal como com os autores norte-americanos - com a vontade da indústria.

 

No final de contas o lógico ganhador seria El Secreto de Sus Ojos, filme que pode ser comparado perfeitamente à idade clássica de Hollywood mas que mantém a tranquilidade sul-americana que muitas produções de cinema noir norte-americanas nunca teriam. É o mais belo filme do ano e seria o justo ganhador. Mas dificilmente ultrapassará o maior mediatismo dos rivais europeus.

 

Já o israelita Ajami e o peruano La Teta Asustada confirmam o bom momento de ambas filmografias e trazem mais uma dose de suspense a uma luta renhida até ao último voto.

 

E o Óscar vai para...Un Prophete

E o Óscar devia ir para...El Secreto de sus Ojos

E a surpresa é...Das Weiss Band

 

DOCUMENTÁRIO

 

Se há uma categoria misteriosa, é esta.

Talvez porque Hollywood despreza habitualmente um género que sobrevive graça a meia-duzia de autores, muito auto-financiamento e a imagem de independência face ao sistema. E por isso mesmo esta categoria acaba por ser uma imensa minoria no meio do mundo de ficção.

 

Entre isto é também habitual que um filme documental surja como favorito em Outubro e mantenha-se assim até ao final. Todos os anos repete-se a mesma história e é raro ver uma verdadeira surpresa. Este ano não é diferente.

 

O tristemente belo The Cove é o máximo favorito e é dificil que perca. Quase impossível. Food Inc, documentário sobre a industria de fast-food é o único rival sério, mas a história sobre o massacre de golfinhos pela frota pesqueira japonesa é forte demais para ser evitada. Um filme sublime e doloroso que merece, mais do que nunca, ser visto com o logo de ganhador ao lado. Há filmes assim!

 

E o Óscar vai para...The Cove

E o Óscar devia ir para...The Cove

E a surpresa é...Food Inc.

 

 

FILME ANIMAÇÃO

 

Desde que Toy Story consagrou a Pixar como o mais divertido e inovador estúdio cinematográfico do mundo da animaçã que é dificil ver um filme Pixar perder. Não é inédito - o belissimo Cars provou-o - mas extremamente dificil.

 

O cenário volta a repetir-se este ano. Up conseguiu fazer história e está entre o top 10 do ano (WALL-E e Ratatouille estariam provavelmente se nos últimos dois anos houvesse dez vagas) e provavelmente vencerá um Óscar mais. E será quase impossível que perca aqui. Por muito original que seja Coraline, por muito apoio que possa ter Fantastic Mr Fox. A vitória do belissimo Up é inquestionável.

 

A categoria há muito que está fechada para discussão e nem o regresso da casa-mãe Disney apretou a corrida. O Oscar é merecido para Pete Docter e volta a juntar mais uma estrelinha dourada na mágica realidade Pixar.

 

E o Óscar vai para...Up

E o Óscar devia ir para...Up

E a surpresa é...Fantastic Mr Fox

 

Categorias:

Autor Miguel Lourenço Pereira às 15:24
Link do texto | Comentar | favorito
Sábado, 27 de Fevereiro de 2010

Oscarwatch 2009 - 9 dias e a contar...

A festa começou por um jantar de amigos no longinquo 1927. À época a estatueta dourada ainda não tinha um nome sequer e a importância no meio da fervilhante Hollywood era muito reduzida. Talvez por isso hoje poucos se lembrem que Wings venceu o primeiro Óscar de Melhor Filme enquanto que The Crowd venceu o Óscar ao Melhor Filme Artistico. Uma dualidade de critérios que sobrevive até hoje.

 

A Academia de Hollywood prepara-se para a sua 83 edição.

O Kodak Theather volta a ser o palco da festa do cinema da indústria norte-americana que hoje é, igualmente, a noite de maior glamour do mundo do espectáculo. A noite onde todos querem estar. Ver e ser vistos. No entanto é também uma noite que tem perdido audiência face às últimas apostas da Academia. Também por isso houve várias mudanças este ano, prevê-se uma cerimónia bem diferente - já a do ano passado tinha toques bastante originais - e o objectivo é ampliar largamente o público em casa. Para isso ajudam as várias estrelas juvenis a apresentar prémios e alguns dos filmes nomeados.

 

No entanto a Academia acaba por recorrer a dois velhos nomes da casa, Alec Baldwin e Steve Martin, para apresentar a gala. Fugindo ao ritmo popular de Jackman ou dos habituais comediantes da nova vaga como foram Chris Rock e Jon Stewart, a presença desta inusual dupla dá um toque à velha Hollywood que não gosta de ficar demasiado para trás. E aí está a vantagem de The Hurt Locker. A maioria da audiência gostaria de ver Avatar vencer. Ou New Moon, se estivesse nomeado. Na América profunda talvez o favorito seja The Blind Side. Mas o favorito é ainda e sempre o filme de Bigelow.

 

The Hurt Locker arranca com 8 nomeações - tantas como Avatar - e uma série de vitórias acumuladas nos últimos dois meses que o tornam no claro favorito. É a aposta do Cinema para vencer. Por vários motivos que vamos explicar ao largo desta semana que antecipa a grande noite.

 

A corrida é no entanto bastante aberta em várias categorias. Avatar e Inglorious Basterds serão os grandes rivais do filme sobre a Guerra do Iraque em todas as categorias chave (Filme, Realizador, Argumento, Montagem, Fotografia, Direcção Artistica, Som). É aí que se vai definir o resultado final porque os prémios de interpretação - salvo vitória surpresa de Jeremy Renner - estão noutras áreas. Só Christoph Waltz se perfila como ganhador anunciado dentro do circulo dos três favoritos.

 

A noite guarda 21 estatuetas douradas das quais três entram em contas bastante especificas. Sobram portanto 18 prémios que serão distribuidos sem grandes diferencias. Não se espera uma noite como a de Slumdog Millionaire no ano passado ou, mais ainda, de Titanic ou Lord of the Rings: The Return of the King. O mais provável é que Avatar e The Hurt Locker empatem em vitórias (4 cada), se bem que a Academia pode querer fazer a diferença numa categoria chave: Fotografia.

 

A gala do próximo dia 7 confirmará a direcção que Hollywood pretende para a sua Academia. Se virada para o futuro e para as massas. Se virada para o passado e para os autores. Se uma mescla para agradar a gregos e troianos. Faltam 9 dias...

Categorias:

Autor Miguel Lourenço Pereira às 15:03
Link do texto | Comentar | favorito
Quinta-feira, 25 de Fevereiro de 2010

Amanda Seyfried é a Capuchinho Vermelho

Com os adolescentes a dominarem cada vez a ordem de produção de Hollywood era inevitável que começassem a surgir adaptações modernas de velhos contos juvenis. The Girl of the Red Riding Hood - ou, para os mais distraidos, a história do Capuchinho Vermelho - é a próxima na fila.

 

O filme adapta aos tempos modernos a história da Capuchinho Vermelho e envolve-a com elementos de tragédia, humor e algum erotismo. A adaptação da imortal história dos irmãos Grimm está a cargo de David Johnson e o filme será dirigio por Catherine Hardwicke, a cineasta que abriu a trilogia Twilight a quem este filme vai especialmente dirigido.

 

Repleto de adolescentes nos principais papeis, o filme será mais ousado do que a saga vampirica, mas tem o mesmo público alvo. Como protagonista foi elegida a jovem Amanda Seyfried e atrás de si terá Leonardo di Caprio como productor. O projecto começa a ser rodado no Outono para estrear em Maio de 2011.

Categorias:

Autor Miguel Lourenço Pereira às 12:03
Link do texto | Comentar | favorito
Quarta-feira, 24 de Fevereiro de 2010

Estreias - O labirinto

Regressa Martin Scorsese e de novo com Leonardo Di Caprio. Só isso é suficiente para dar a garantia de que o novo filme de uma das duplas mais dinâmicas da década vale a pena. Mas Shutter Island é mais do que isso. Um exercicio hábil e labirintico com um verdadeiro tour de force que surpreende a cada segundo que passa. É, inequivocamente, um dos filmes do ano.

Ted Daniels é um US Marshall enviado para investigar o curioso desaparecimento de uma mulher, detida numa instituição psiquiatrica na isolada Shutter Island. Ao seu lado um parceiro com quem nunca trabalhou e um desafio repleto de encruzilhadas. A ilha está repleta de armadilhas que Daniels terá de saber descortinar se não quer correr o risco de também ele se perder para sempre.

Com um notável trabalho técnico - em particular a brutal banda sonora - Scorsese molda a sua excelente troupe de actores - para além do genial Di Caprio há ainda Ben Kingsley, Mark Ruffalo, Patricia Clarkson, Michelle Williams e Max von Sydow - num ambiente claustrofóbico e assustador onde nada é, realmente, o que parece. O filme tem ainda o mérito de marcar a melhor estreia nas bilheteiras na carreira do cineasta e um dos melhores registos do actor.

 

Shutter Island esteve para estrear em Novembro, no calor da temporada dos prémios de final de ano. A productora decidiu adiar para Fevereiro a estreia do filme contra a vontade de Scorsese. Afinal há neste seu regresso ao cinema noir matéria-prima para ombrear com qualquer um dos grandes títulos de 2009. Shutter Island é uma autêntica obra-prima do primeiro ao último frame. Até ao último frame.

 

Esta semana estreiam também:

 

The Cove é um triste documentário que nos leva até ao lado mais podre e obscuro da mente humana. Uma baía na costa japonesa, milhares de golfinhos indefesos e uma sede de matar que só um animal como o Ser Humano tem. Documentário de denuncia sobre a morte indiscriminada de um animal em vias de extinção dirigido por Joe Chisolm que se perfila como o justo vencedor do Óscar de Melhor Documentário.

A Guerra do Iraque entrou na primeira fila da discussão com o filme de Kathryn Bigelow mas antes já os Estados Unidos tinham visto The Messenger, um poderoso drama que passou por Sundance e Berlim e que valeu a Woody Harrelson a nomeação ao Óscar de Melhor Actor Secundário. Num filme onde também brilham Samantha Morton e Ben Foster, acompanhamos dois soldados destacados a comunicar às familias as mortes no campo de batalha. Notável exercicio dramático sobre o poder da culpa dirigido por Oren Moverman.  

Categorias:

Autor Miguel Lourenço Pereira às 11:08
Link do texto | Comentar | favorito
Terça-feira, 23 de Fevereiro de 2010

Shutter Island - A mente é uma ilha traiçoeira

Nos primeiros segundos Martin Scorsese ganha o jogo. Não precisa de mais. Os primeiros vislumbres de Shutter Island deixam o espectador preso, irrequietamento tranquilo. Os ruidos de fundo são silenciados a cada gotejar de tensão. Sob uma banda sonora assustadoramente lugubre, embarcamos numa viagem que sabemos, já de antemão, que não tem regresso. Marty emula Hitch e apresenta aqui o seu particular Vertigo.

Lembrar Hitchcok é inevitavel a cada frame de Shutter Island. É verdade que o cineasta britânico é mais limpo. Não explora a violência com a selvagem naturalidade de Scorsese, maestro em sacar do interior da alma do Ser Humano o seu lado mais animalesco. Se os filmes do mestre do suspense eram isso mesmo, direccionados para o suspense, aqui é o temor que pauta o ritmo. O temor ao que nos podemos encontrar. A verdade, essa palavra tão forte, nunca paira sob o filme. Vivemos uma constante mentira, desde o primeiro olhar de Di Caprio, esse fabuloso actor que está para a geração contemporânea como esteve Brando para a geração de 50. Nos últimos 15 anos Leonardo Di Caprio transformou-se mil vezes e em todas elas soube prevalecer sob as suas próprias assombrações. Mas nunca foi tão fundo no seu desespero humano como nesta trepidante viagem à mente humana. Talvez Di Caprio seja o melhor reflexo desse olhar hitchcockiano de Shutter Island. Durante o filme arrasta-se como o "wrong man" que o inglês sempre explorou. Mas como o filme é de Martin Scorsese, a culpa ganha sempre uma particular dimensão. Uma trágica dimensão.

Lembrar obras do passado ao olhar para Shutter Island é entender que Scorsese não está a criar algo puramente genuino. Mas está a limar asperezas. Se o ritmo da narrativa e o suspense constante nos levam directamente a Vertigo, já o mundo sobrenatural que paira sobre a devastada ilha encaminha-nos para a porta de Shinning. O filme memorável de Stanley Kubrick é um hábil ensaio sobre a morte e a loucura. Os dois vectores desta narrativa. Assombrações ou alucinações? Mortes ou mentiras? Passado ou presente? Os pesadelos que vão emergindo Ted Daniels vão confrontando o espectador com várias verdades, vários sonhos, vários temores. E diluem-se sob essa partitura sonora arrepiante e essa montagem - mais um trabalho de mestre de Telma Schoomaker - absolutamente assombrosa. Daniels, esse US Marshall destacado para destapar uma conspiração, transforma-se na presa de um labirinto feito à sua medida. A verdade transforma-se em dúvida e todos aqueles que o deveriam ajudar tornam-se perigosos carrascos. No meio o instinto de sobrevivência muda o ritmo a cada alucinação em que entramos. A verdade? Palavra dificil.

Se Scorsese não assina com Shutter Island a sua obra máxima - como fizeram Hitchcock e Kubrick com Vertigo e Shinning - é porque a sua filmografia é de tal forma variada e notável que se torna dificil entrar por essa valoração. No entanto o ritmo que imprime à história abre passo a um fabuloso trabalho de direcção. E de interpretação. Di Caprio é assombro - como já o tinha sido em The Departed e Aviator, para só citar colaborações scorsesianoas - mas não está só. O seu fiel parceiro, Chuck, é um tenso mas seguríssimo Mark Ruffalo, enquanto que Ben KingsleyMax von Sydow, dois dos grandes maestros da interpretação à europeia, se transformam facilmente em nemésis fáceis de identificar. Num mundo de homens - como é sempre o universo de Scorsese - a pertrubação da mente é culpa das mulheres. É uma mulher a quem Teddy busca, é uma mulher quem o avisa dos perigos. E é uma que a assombra. Tanto Emily Mortimer, como Patricia Clarkson e, sobretudo, Michelle Williams tornam-se nesse trio de harpias letais que o encaminham para o fim.

Estreado em Fevereiro por uma polémica decisão da Paramount - que acreditava ter em The Lovely Bones um filme mais forte na corrida aos Óscares - Shutter Island já se tornou num fenomeno de bilhteira. É inequivocamente um filme brilhante, destinado a marcar o ano. E, mais do que isso, a pautar a própria carreira - em fase ascedente - de Di Caprio confirmando também que os quatro anos de pausa de Scorsese foram bem empregues. Shutter Island é uma obra-prima. Até ao último frame!

 

Classificação -

 

Realizador - Martin Scorsese

Elenco - Leonardo Di Caprio, Mark Ruffalo, Michelle Williams

Productora - Paramount

Classificação - m/12

Categorias:

Autor Miguel Lourenço Pereira às 12:28
Link do texto | Comentar | ver comentários (4) | favorito
Segunda-feira, 22 de Fevereiro de 2010

Honey vence Berlinale dedicada ao polémico Polanski

Ter sido detido pela policia suiça pode ter sido uma verdadeira benção para Roman Polanski. O cineasta, algo desaparecido desde o Óscar ganho em 2002 por The Pianist, recebeu o Urso de Prata ao Melhor Realizador pelo seu novo projecto, The Ghost Writer. E o sentimento era claro. Recompensar o autor que tem a lei à perna.

 

No entanto o filme de Polanski, um dos mais aplaudidos do certame, não pôde com Honey. A Turquia tem uma forte presença na sociedade germânica e não é a primeira vez que os autores turcos encontram no Festival de Berlim o seu espaço. Honey venceu o Urso de Ouro ao Melhor Filme e não foi um mero acaso. A obra de Semih Kaplanoglu, conquistou o juri presidido pelo germânico Werner Herzog é a terceira parte de uma trilogia social sobre a juventude turca e a sua entrada no novo século. Foi um vencedor sem contestação mas acabou por ser eclipsado pelo trofeu entregue a Polanski - que não esteve presente - e pelos prémios atribuidos a How I Ended This Summer e If I Want to Whistle, I Whistle.

 

Duas produções da Europa de Leste que dividiram entre si o grosso do palmarés. O primeiro, filme russo de Alexei Popogresbky deu um inédito Urso de Prata partilhado aos dois actores do filme, Grigory Dobrygin e Sergei Puskepalis e ainda o prémio à Melhor Fotografia. Já o filme romeno de Florian Serban ganham o prémio especial do Juri e o prémio de melhor cineasta debutante.

 

Entre o palmarés destaque ainda para a melhor actriz, a japonesa Shinobu Terajimi, pelo seu papel em Caterpillar, um drama erótico sobre uma mulher confrontada com um marido amputado de pernas e braços obcecado por manter relações sexuais com ela diariamente. O prémio ao melhor guião ficou também no Oriente, entregue a Wang Quaann, autor de Apart Together.

 

O festival passou ao lado dos titulos mais mediáticos a apostou fortemente na filmografia que mais se adequa ao estilo do presidente do Juri, mais realista e apostada em temas sociais. No entanto confirmou-se a popularidade do certame e a sua aposta preferencial por obras europeias, face à paixão de Cannes e Veneza pelas filmografias orientais e sul-americanas evidenciadas nas últimas edições.

Categorias:

Autor Miguel Lourenço Pereira às 12:14
Link do texto | Comentar | favorito

The Hurt Locker limpa BAFTA

Uma vitória esmagadora de The Hurt Locker na entrega dos BAFTA, os prémios da Academia cinematográfica britânica, abre caminho a um triunfo claro na próxima edição dos Óscares.

 

O filme de guerra da cineasta Kathryn Bigelow - que levou para casa mais um trofeu de Melhor Realizador - esmagou totalmente a concorrência, entre as apostas norte-americanas (Inglorious Basterds e Avatar) e britânicas (An Education e Fish Tank). Para lá dos prémios como Melhor Filme, Melhor Realizador e Melhor Argumento Original o filme levou para casa os prémios de Melhor Fotografia, Montagem e Som. Um total de seis triunfos, bem à frente do segundo filme mais premiado da noite.

 

Londres engalanou-se para receber as estrelas do cinema e poucas faltaram ao encontro. A noite confirmou o dominio dos actores europeus - apenas MoNique venceu como Actriz Secundária - e principalmente dos britânicos. Colin Firth bateu previsivelmente a concorrência americana para levar para casa o prémio de Melhor Actor enquanto que a jovem Carey Mulligan surpreendeu ao arrebatar o trofeu à grande favorita, Meryl Streep. Também o austriaco Christoph Waltz não faltou a recolher o seu trofeu obrigatório como Actor Secundário do ano.

 

Up in the Air venceu na categoria de Melhor Argumento Original - o único trofeu do filme de Jason Reitman - enquanto que Up confirmou o favoritismo vencendo como Filme Animado e Banda Sonora. Un Prophete surpreendeu como Filme de Lingua Não-Inglesa e Avatar teve de se confirmar com dois prémios técnicos, Efeitos Visuais e Direcção Artistica. Tantos como Young Victoria, drama histórico britânico que levou os trofeus de Maquilhagem e Guarda-Roupa.

 

Os BAFTA têm-se revelado, de todos os prémios da temporada, os mais acertados à hora de prever os Óscares. Talvez pelo forte peso da comunidade britânica na Academia de Hollywood - são mais de 1500 membros - a verdade é que o apoio massivo a The Hurt Locker ajuda a desbloquear a candidatura do pequeno e genial filme sobre a Guerra do Iraque e os homens que lá vão à procura de algo mais do que a sociedade ocidental é capaz de lhes oferecer.

Categorias:

Autor Miguel Lourenço Pereira às 09:07
Link do texto | Comentar | favorito
Sexta-feira, 19 de Fevereiro de 2010

Renner transformado em Cobain

Os biopics sobre musicos célebres tornaram-se numa moda recente e a galeria de filmes prepara-se para ganhar uma nova estrela musical. A Universal está já a produzir um filme sobre a vida de Kurt Cobain, lider da banda Nirvana e pai espiritual do movimento grunge.

 

O filme estava em banho maria há algum tempo. Em 2007 já se tinha falado num projecto, inspirado no guião de David Benioff, mas a falta de direitos cancelou a produção. Agora que os estúdios têm tanto os direitos da vida de Cobain como da música da banda, o filme parece que vai mesmo avançar com o autor de The Messanger, o cineasta Oren Moverman, a pulir o argumento original e a colocar-se detrás das camaras.

 

Para o principal papel a grande aposta é Jeremy Renner. O actor nomeado ao Óscar pelo seu desempenho em The Hurt Locker e o favorito para transformar-se no polémico músico que já foi explorado, de forma alegórica, por Gus van Sant em Last Days. Nessa ocasião foi o jovem Michael Pitt a dar corpo a um "falso" Cobain.

 

O filme, sem qualquer titulo de produção e nenhum nome oficial no elenco, está já a ser desenvolvido e poderia começar as filmagens no Outono.

Categorias:

Autor Miguel Lourenço Pereira às 10:04
Link do texto | Comentar | favorito

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

.Fundamental.

EnfoKada

.Janeiro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


.Ultimas Reviews

Midnight in Paris -
The Ides of March -
A Dangerous Method -
Tinker Taylor Soldier Spy -
Drive -

.Classificação

Excelente-
Muito Bom-
Bom -
Aceitável-
Evitar-

.Pesquisa

 

.Ultimas Actualizações

. Por uma definição justa d...

. Oscarwatch - Melhor Filme...

. Oscarwatch - Melhor Argum...

. Oscarwatch - Melhor Actor...

. Oscarwatch - Melhor Actri...

.Do Autor

Em Jogo

.Categorias

. biografias

. cinema

. corpos...

. estreias

. festivais

. historia opinião

. mitos

. noticias

. obituario

. opinião

. oscares

. oscarwatch 2008

. oscarwatch 2009

. oscarwatch 2010

. oscarwatch 2011

. premios

. reviews

. rostos

. that´s the movies

. trailers

. todas as tags

.Blogs

35mm
7CineArt
A Gente Não Vê
A Última Sessão
Action Screen
Alternative Prision
Ante-Cinema
Antestreia
A Última Sessão
Avesso dos Ponteiros
Bela Lugosi is Dead
Blockbusters
Cantinho das Artes
Cine31
CineBlog
CineLover
CinemeuBlog
CineObservador
CineRoad
CineLotado
Cinema is My Life
Cinema Notebook
Cinema´s Challenge
Cinema Xunga
Cinematograficamente Falando
CinePT
Close Up
Cria o teu Avatar
Depois do Cinema
Dial P for Popcorn
Ecos Imprevistos
Estúpido Maestro
Febre 7 Arte
Final Cut
Grandes Planos
Gonn1000
Grand Temple
High Fidelity
In a Lonely Place
Jerry Hall Father
Keyser Soze´s Place
Maus da Fita
Movie Wagon
Mullolhand CineLog
My One Thousand Movies
My SenSeS
Noite Ameriana
Ordet
O Homem que Sabia Demasiado
O Sétimo Continente
Os Filmes da Gema
Pixel Hunt
Pocket Cinema
Portal do Cinema
Royale With Cheese
Split Screen
The Extraordinary Life of Steed
Um dia Fui ao Cinema
Voice Cinema



.Sites

c7nema
CineCartaz
Cine Estação
Cinema2000
Cinema-PT Gate
DVD Mania
DvD.pt
Em Cena
Lotação Esgotada
Cine História
Cinemateca Lisboa
Eu sou Cinéfilo
Portal Cinema

American Film Institute
British Film Institute
Cahiers du Cinema
Cinémathèque Francaise
Directors Guild of America
Internet Movie Database
Motion Picture Association
Screen Actors Guild
Screen Writers Guild
Sight and Sound
Telerama

Box Office Mojo
Coming Soon
Dark Horizons
Hollywood Reporter
JoBlo
Latino Review
Movie Poster

Premiere
Rope of Silicone
Rotten Tomatoes
Slash Film

Sun Times Chicago

Variety

.Premios e Festivais

Cesares
European Film Awards

Golden Globes
Goya

Oscares

Animation Film Fest
European Film Festival
Festival de Berlim
Festival de Cannes
Festival de S. Sebastian
Festival de Sundance
Festival de Veneza
Roma Film Festival
São Paulo Film Fest
Sitges Film Festival
Toronto Film Festival

Algarve Film Festival
Ao Norte!
Avanca
Black and White
Caminhos
Cinamina
Corta!
Curtas Vila do Conde
DOCLisboa
Fantasporto
FamaFest

Festroia

FIKE
Funchal Film Fest
Imago
Indie Lisboa
Ovar Video

.Oscarwatchers

And the Winner is...
Awards Daily
In Contention
Golden Derby
MCN Weeks
The Envelop
The Carpetbagger
Thompson on Hollywood

.Arquivos

. Janeiro 2013

. Fevereiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

.subscrever feeds