Terça-feira, 30 de Dezembro de 2008

As 10 desilusões de 2008

Não se trata de avaliar o pior filme do ano. Afinal, provavelmente, os piores nunca chegarão a estrear numa sala e estão agora numa estante alta de um qualquer clube de video. Trata-se essencialmente de eleger aqueles filmes, que por vários motivos (projecção, argumento, elenco, autor, ...), goraram as expectativas que tinham sido criadas à sua volta. Alguns dos filmes aqui destacados não são necessariamente maus filmes, mas poderiam ter sido muito mais e ter tido um papel de maior destaque neste ano.

 

10

Atonement

 

Inspirado num bem sucedido romance de um dos escritores da moda, Atonement estava anunciado como um desses grandes melodramas ao velho estilo de Hollywood. A narrativa era impressionante no papel e, desde o inicio, o projecto parecia condenado ao sucesso. Apesar disso, Atonement está muito longe de ser um grande filme. O elenco - da popular Keira Knightley a um sonso James McAvoy - está a léguas do que se exigia para um filme com esta carga dramática, e Joe Wright mostrou que há histórias que se podem adaptar facilmente e outras que necessitam algum engenho para funcionar. E esse engenho faltou-lhe desde o primeiro segundo. O filme resultou bem nas bilheteiras (sem ter tido um ano brilhante), foi nomeado a uns quantos prémios de prestigio, mas passou claramente ao lado da fama, sem no entanto baixar à mediocridade.

 

9

Australia

 

Outro filme que poderia ter sido um melodrama épico e que conseguiu repetir todos os defeitos de um filme kitsch que quer ser muito e acaba por não ser nada. Durante anos ouvimos falar deste projecto de Baz Lhurmann, que com um par de filmes dinamicos tinha conseguido elevar-se a si mesmo à condição de autor fora do mainstream. Publicitou Australia como o Gone With the Wind australiano e ao subir tanto as expectativas destruiu, já à partida, qualquer hipótese de sucesso do filme. Porque Jackman e Kidman não são actores fabulosos. Porque a sala de montagem continua a ser, como na origem do cinema, o elemento central para definir o sucesso ou fracasso de um filme. E porque simplesmente a história não era o realista e apaixonante suficiente para criar uma aura de grandeza à volta de um filme que sempre quis andar em bicos de pés.

 

8

Burn After Reading

 

Num mesmo ano dose dupla dos Coen. Depois do sucesso estelar que teve No Country For Old Men, e que supôs aliás a sua consagração no meio mainstream, os irmãos Joel e Ethan Coen voltaram a um registo onde já conseguiram bons e péssimos resultados: a comédia. Burn After Reading roda à volta de um grupo de personagens estúpidas até à medula, muito longe do sarcasmo social que estava detrás dos protagonistas de filmes como The Big Lebowski (que continua a ser a sua obra-prima). Apesar de repetirem com a sua habitual "troupe" de actores, aos Coen faltou-lhes dinamismo e energia para transformar um enredo pouco credivel num filme convincente. Não é a sua pior comédia (há muito, muito pior na sua filmografia mais recente), mas é um filme que está a milhões de anos luz do que são capazes de fazer. Como o provaram aliás, há bem pouco tempo.

 

7

The Incredible Hulk

 

Ang Lee tinha conseguido transmitir a sensibilidade caracteristica das suas produções à primeira adaptação cinematográfica séria das aventuras de Hulk, o alter-ego destruictivo de Bruce Banner. Em 112 minutos Louis Leterrier (que o melhor que tem no curriculum é Danny, The Dog..o que diz tudo) consegue destruir essa herança por completo. Edward Norton substitui a outro grande da sua geração, Eric Bana, mas o mal já vem de raiz e nem ele é capaz de salvar este barco do naufrágio. Pelo menos as expectativas já eram baixas quando se soube da mudança drástica que sofreu a produção.  

6

Indiana Jones and the Kingdom of the Crystal Skull

 

Durante anos fomos bombardeados com noticias e falsas noticias do regresso de Indiana Jones. Parecia tão improvável que quando Lucas e Spielberg confirmaram que, efectivamente, o arquelogo mais famoso da história do cinema ia voltar, parecia uma brincadeira de 1 de Abril. Mas não era, infelizmente, e os amantes da trilogia original (uma das traves mestras do cinema blockbuster dos 70/80) foram forçados a ver como um decrépito e acabado Harrison Ford voltava a pegar no chapéu e no chicote para se meter numa aventura sem pés nem cabeça. No elenco também andavam por lá Cate Blanchett (uma actriz capaz do melhor e do pior, já se viu) e o novo protegido de Spielberg, Shia LeBouef. Resultado: as bilheteiras agradeceram o empurrão que o filme deu ao mercado, Spielberg volta a ter uma nódoa negra na sua complexa filmografia (alterna habitualmente obras-primas com filmes devastadoramente maus) e os apaixonados da saga original sofreram o mesmo sindrome que já tinha passado aos amantes de Star Wars. Ás vezes é melhor deixar as coisas como estão, a não ser que se chame Christopher Nolan.

 

 5

 Amália, o Filme

 

O cinema portugues continua a ser...o cinema portugues. É impressionante que a estas alturas do campeonato, quando qualquer país da Europa é capaz de apresentar, com regularidade, filmes interessantes capaz de projectar o nome do país no estrangeiro, que Portugal continue a ter de levar com trabalhos como Amália, o Filme. Falou-se no grande biopic nacional, num filme de elevada produção e com um dinamismo fora de vulgar comparado com a estética habitual. Mas o resultado é um tremendo vazio que continua a espelhar a falta de meios e de talento que tem o cinema made in Portugal. Se a França tinha sabido apresentar uma aceitável homenagem a uma diva como Piaff, por cá havia a obrigação de fazer um trabalho igualmente decente. E não se pediam biopics a la Hollywood. Apenas um pouco de nivel. Afinal em Amália, resulta que não há musica, que não há personagens e que não há história. Apenas uma sucessão de tristes episódios que representam, também eles, pelo seu vazio, a sina do cinema portugues que continua a afundar-se enquanto o público é forçado anualmente a decidir-se entre o hermetismo oliveiriano e os nus de Soraia Chaves. Para isso, realmente o melhor é ficar por casa.

 

4

W.

 

Oliver Stone é um dos melhores cineastas que o cinema americano deu nos últimos trinta anos. Um verdadeiro maverick que acredita no que pensa e gosta que os seus filmes transmitam os seus ideais. Essa postura já lhe valeu assinar obras fabulosas. Mas também provocou que a sua filmografia esteja cheia de altos e baixos. E já vão dois seguidos. Depois de se debruçar sobre o drama humano do 11 de Setembro, sem sucesso, em World Trade Center, o cineasta que já tem no curriculum filmes como Platoon, JFK ou Nixon, decidiu tratar outro grande drama: a presidencia de George W. Bush. A figura de Bush polarizou como nunca o mundo face aos Estados Unidos. No entanto, Stone, um critico acérrimo do presidente,  longe de explorar esta crescente raiva contra uma administração marcada por sucessivos erros, patetiza a figura do homem, criando até um sentimento de pena face a um individuo que estava mais preparado para abrir um saloon do que para ser presidente dos Estados Unidos. W. podia ter sido a critica certeira num ano em que um novo vento anuncia mudanças em Washington. Mas alinha pelo mesmo diapasão dos últimos anos deste Bush na presidencia e é um filme pesado e sem chispa, incapaz de transmitir as vibrações de um "yes, we can".

 

 3

The Darjeeling Limited

 

Há cerca de uma década saiu uma nova fornada de jovens cineastas apostados em procurar algo novo num cinema excessivamente marcado pela ansia do lucro. Não eram os indies undergrounds da escola de Cassavettes, Ferrara ou Cronenberg. Eram autores que queriam fazer parte do sistema, mas dar-lhe um rosto distinto. Entre esses estava Wes Anderson. Para muitos um dos mais talentosos da sua geração, a verdade é que Anderson conseguiu com The Royal Teenembaus e The Life Aquatic of Steve Zissou, alguns dos melhores momentos cinematográficos dos últimos dez anos. Mas a formula, tanta vezes repetida, perde frescura e sentido de novidade. E estagna-se num cinema hermético e incapaz de ir mais além. O que em 2001 tinha piada e era realmente um tiro no escuro agora torna-se previsivel e limitado. É isso que acontece com The Darjeeling Limited, um filme que volta a reunir a tropa habitual do cineasta (com Andrien Brody como novidade) mas que também peca por repetir todas as fórmulas já usadas até à exaustão. Para os admiradores do realizador, é mais uma obra para a galeria. Mas para quem tinha em Anderson um cineasta capaz de injectar sangue novo constantemente, soa a obra fora do prazo de validade.  

 

2

There Will Be Blood

 

Há uma certa tendencia dos criticos a aplaudir de pé tudo o que é diferente. Mas nem sempre tudo o que luz é ouro, nem tudo o que jorra é petróleo. There Will Be Blood é desses filmes capaz de dividir opiniões para toda uma vida. Haverá os seus defensores indefectiveis e os seus detractores eternos e é muito pouco provavel que alguém mude a sua posição. Porque é um filme claramente provocador, que aposta no minimalismo (da banda sonora de Tom York à fotografia intensa do deserto) visual e sonoro extremo. O projecto era ambicioso (e Paul Thomas Anderson, ao contrário do que se disse de Wes Anderson, é um realizador corajoso) mas no final soa forçado. Tudo. E se o desempenho de Daniel Day-Lewis é um tour de force extraordinário, que ficaria bem em qualquer filme, já todo o resto do elenco é reduzido a um amadorismo quase bressoniano. Ao tentar evocar o Monument Valley de Ford ao mesmo tempo que reduz tudo ao minimalismo dialético de Ophuls ou Bergman, cria-se na narrativa uma confusão intensa que acaba por não desembocar em bom porto. O final surrealista e despropositado confirma que desde o primeiro plano até ao final, o espectador anda à deriva, sem nunca encontrar o seu rumo.

 

1

Into the Wild

 

Há filmes que são apenas decepcionantes. E há outros que vão muito para além disso. A critica apaixonou-se pela aventura de um jovem yuppie que deixa tudo para trás (sociedade, familia, cartões de crédito) e decide partir à aventura para viver como um selvagem no longinquo Alasca. Sean Penn é um actor extraordinário, disso não cabe dúvida nenhuma. Mas como cineasta não tem sentido de dinamismo nem da importancia em criar narrativas concisas e que se conectem bem, do primeiro ao último plano. Já tinha passado o mesmo com o lastimavel The Promise e volta a passar o mesmo este Into the Wild. O elenco, liderado por um incipiente Emile Hirsch, defrauda desde o primeiro instante, enquanto que o argumento não consegue, em nenhum momento, criar aproximação com o espectador. Resulta que o filme parece querer funcionar como um manifesto libertário num mundo onde o capitalismo vive uma crise aguda numa exaltação ecológica de regresso às origens. Mas acaba por ser uma aventura sem sentido e com pouco pulso, capaz de fazer o mais santo dos espectadores sair da sala antes para se meter a ver um qualquer filme nacional.  

Categorias:

Autor Miguel Lourenço Pereira às 22:20
Link do texto | Comentar | favorito
2 comentários:
De João a 31 de Dezembro de 2008 às 14:22
Os 3 primeiros do top estão na lista dos meus preferidos de 2008 :)


De Gustavo a 1 de Janeiro de 2009 às 23:52
Temos visões radicalmente opostas de INDIANA JONES e THERE WILL BE BLOOD, mas pensamos igualmente em relação ao decepcionante BURN AFTER READING, que, junto do novo filme dos FICHEIROS SECRETOS e IRON MAN, foi a maior decepção de 2008.


Comentar post

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

.Fundamental.

EnfoKada

.Janeiro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


.Ultimas Reviews

Midnight in Paris -
The Ides of March -
A Dangerous Method -
Tinker Taylor Soldier Spy -
Drive -

.Classificação

Excelente-
Muito Bom-
Bom -
Aceitável-
Evitar-

.Pesquisa

 

.Ultimas Actualizações

. Por uma definição justa d...

. Oscarwatch - Melhor Filme...

. Oscarwatch - Melhor Argum...

. Oscarwatch - Melhor Actor...

. Oscarwatch - Melhor Actri...

.Do Autor

Em Jogo

.Categorias

. biografias

. cinema

. corpos...

. estreias

. festivais

. historia opinião

. mitos

. noticias

. obituario

. opinião

. oscares

. oscarwatch 2008

. oscarwatch 2009

. oscarwatch 2010

. oscarwatch 2011

. premios

. reviews

. rostos

. that´s the movies

. trailers

. todas as tags

.Blogs

35mm
7CineArt
A Gente Não Vê
A Última Sessão
Action Screen
Alternative Prision
Ante-Cinema
Antestreia
A Última Sessão
Avesso dos Ponteiros
Bela Lugosi is Dead
Blockbusters
Cantinho das Artes
Cine31
CineBlog
CineLover
CinemeuBlog
CineObservador
CineRoad
CineLotado
Cinema is My Life
Cinema Notebook
Cinema´s Challenge
Cinema Xunga
Cinematograficamente Falando
CinePT
Close Up
Cria o teu Avatar
Depois do Cinema
Dial P for Popcorn
Ecos Imprevistos
Estúpido Maestro
Febre 7 Arte
Final Cut
Grandes Planos
Gonn1000
Grand Temple
High Fidelity
In a Lonely Place
Jerry Hall Father
Keyser Soze´s Place
Maus da Fita
Movie Wagon
Mullolhand CineLog
My One Thousand Movies
My SenSeS
Noite Ameriana
Ordet
O Homem que Sabia Demasiado
O Sétimo Continente
Os Filmes da Gema
Pixel Hunt
Pocket Cinema
Portal do Cinema
Royale With Cheese
Split Screen
The Extraordinary Life of Steed
Um dia Fui ao Cinema
Voice Cinema



.Sites

c7nema
CineCartaz
Cine Estação
Cinema2000
Cinema-PT Gate
DVD Mania
DvD.pt
Em Cena
Lotação Esgotada
Cine História
Cinemateca Lisboa
Eu sou Cinéfilo
Portal Cinema

American Film Institute
British Film Institute
Cahiers du Cinema
Cinémathèque Francaise
Directors Guild of America
Internet Movie Database
Motion Picture Association
Screen Actors Guild
Screen Writers Guild
Sight and Sound
Telerama

Box Office Mojo
Coming Soon
Dark Horizons
Hollywood Reporter
JoBlo
Latino Review
Movie Poster

Premiere
Rope of Silicone
Rotten Tomatoes
Slash Film

Sun Times Chicago

Variety

.Premios e Festivais

Cesares
European Film Awards

Golden Globes
Goya

Oscares

Animation Film Fest
European Film Festival
Festival de Berlim
Festival de Cannes
Festival de S. Sebastian
Festival de Sundance
Festival de Veneza
Roma Film Festival
São Paulo Film Fest
Sitges Film Festival
Toronto Film Festival

Algarve Film Festival
Ao Norte!
Avanca
Black and White
Caminhos
Cinamina
Corta!
Curtas Vila do Conde
DOCLisboa
Fantasporto
FamaFest

Festroia

FIKE
Funchal Film Fest
Imago
Indie Lisboa
Ovar Video

.Oscarwatchers

And the Winner is...
Awards Daily
In Contention
Golden Derby
MCN Weeks
The Envelop
The Carpetbagger
Thompson on Hollywood

.Arquivos

. Janeiro 2013

. Fevereiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

.subscrever feeds