Quarta-feira, 29 de Dezembro de 2010

2010 - As Performances do Ano II

 

 

 

 

Leonardo Di Caprio

Shutter Island/Inception

 

Se há, na actualidade, um actor que reune todas as condições para emergir, naturalmente, sobre os demais e reinvidicar a herança dos Stewart, Fonda, Brando, Newman, Pacino ou De Niros do passado, esse é, sem margem para dúvidas, Leonardo Di Caprio. Pela mão de dois dos maiores cineastas contemporâneos, o genial actor norte-americano voltou a superar-se e apresentou não um, mas talvez os dois melhores desempenhos do ano cinematográfico. Se em Inception, esse profundo mundo onírico repleto de fantasia, Di Caprio foi fascinante como Cobb, o homem de um passado para esquecer, em Shutter Island transformou-se quase num Stewart hithcockiano nessa vertigem emocional tremenda com reviravoltas inesperadas e um olhar sempre preso na alma do espectador. No panorama actual não há actor mais completo e entusiasmante do que a jovem estrela de Titanic, hoje convertido num icone por direito próprio. Hollywood continuará, como passou com tantos outros dos seus maiores nomes (Fonda, Newman, Pacino) a ignorá-lo até não poder mais. Porque ele é uma força mais forte do que a que emana a indústria que não sabe bem como lidar com o verdadeiro tornado emocional em que se tornou o enigmático Leonardo.

 

 

 

 

 

Viggo Mortensen

The Road

 

Actor imenso donde existam, Viggo Mortensen conseguiu soltar-se da capa de Aragorn e afirmar-se como o mais independente e revitalizante dos actores mediáticos norte-americanos. O seu espirito de artista permite-lhe farejar os projectos mais fascinantes e The Road foi mais um mergulho no escuro com um sucesso retumbante. O seu desempenho como o angustiado pai de um jovem adolescente à beira do fim do Mundo é um dos mais tocantes retratos do desespero humano que alguma vez saltaram ao grande ecrã. E Mortensen, pela enésima vez, confirmou o estatuto de monstro da interpretação, desse espirito de gigantes que não abunda hoje nessas planicies desertas de ideias e valores bem americanas.

 

 

 

 

 

Jeremy Renner

The Hurt Locker/The Town

 

Podia ter sido o seu ano a todos os níveis, tal foi o golpe de autoridade imposto do arranque ao final do ano pelo americano Jeremy Renner, um dos nomes próprios de 2010 por direito próprio. Protagonista do oscarizado The Hurt Locker (pelo qual foi nomeado pela primeira vez à estatueta dourada), encarnou a perfeita imagem do descontrolo emocional que significa mergulhar no lado obscuro e repleto de adrenalina de um conflito armado a larga escala. Depois reciclou-se como vilão implacável, herdeiro do grande cinema de gangsters da escola de Cagney e companhia, no intenso e brilhantemente dirigido The Town, uma das revelações de final de época, com o qual pode voltar a optar à estatueta. Dois pontos altos numa carreira que só agora arranca mas que o faz em força com a certeza de que Renner é um actor com todas as condições para marcar uma era.

 

 

 

 

 

 

Luis Tosar

Celda 211

 

O cinema espanhol está de boa saúde e o sucesso do filme de Daniel Monzón, grande campeão da última edição dos prémios Goya, é bom exemplo disso. O filme acenta, sobretudo, na performance apaixonante do galego Luis Tosar, um dos máximos nomes da representação em castelhano da última década. Actor polifacético, presente em grandes filmes da década espanhola como Te Doy Mis Ojos ou El Lunes al Sol, o enigmático Tosar conseguiu com o seu inimitável Malamadre, o lider de uma revolta carcelária, atingir o zénite de uma carreira que perde em protagonismo para o seu insperável amigo Javier Bardem o que não perde em comparação de talento. Ambos são interpretes de máximo nível.

 

 

 

 

 

Colin Firth

A Single Man

 

Se este ano o britânico Colin Firth ganhar o Óscar que poderia ter sido seu no ano passado vai sempre ficar no ar aquela sensação a recompensa atrasada. Porque o seu desempenho em A Single Man foi um dos mais tocantes e profundos do passado ano cinematográfico e um dos grandes highligts da temporada. No filme de estreia do desenhador Tom Ford, o actor que começou a carreira no universo austeniano e em pequenas comédias de costumes, deu corpo (e alma) a um amargurado professor homossexual dos anos 60, prestes a tomar a decisão mais séria da sua vida por ser incapaz de viver sem a companhia da sua outra metade. Um filme que versa tão bem sobre o desespero como sobre a esperança e que permite contemplar, sem complexos, a vida do outro lado do espelho da sexualidade humana. Um under-acting intenso que não deixa margem para dúvidas sobre o genial talento do inglês tranquilo.

Categorias: ,

Autor Miguel Lourenço Pereira às 12:11
Link do texto | Comentar | favorito
4 comentários:
De Tiago Ramos a 29 de Dezembro de 2010 às 15:21
Confesso que não sou muito fã de Jeremy Renner e Viggo Mortensen nos respectivos filmes. A performance deles é apenas equilibrada pela forte história, mas não vejo ali muito de grande desempenho (um bocado mais para o Mortensen, num quase one man show).

Leonardo Di Caprio sim, é provavelmente o actor mais subvalorizado dos últimos anos. Um excelente e maduro profissional, mas que não tem visto o seu trabalho reconhecido, muito à conta de uma certa má-vontade da Academia.

Luis Tosar, assombroso! Excelente prestação.

Colin Firth foi o meu preferido. O desempenho do ano e que merecia o Óscar!


De Miguel Lourenço Pereira a 29 de Dezembro de 2010 às 15:24
O Di Caprio há anos, provavelmente desde o Catch Me If You Can, que é o actor mais em forma de Hollywood e somar desempenhos como Gangs, Aviator, Departed, Blood Diamond, Shutter Island, Inception e Revolutionary Road não é, definitivamente, para qualqer um.

O Mortensen é imenso nesse under-acting constante num filme que tem de sustentar ele só enquanto que o Renner é tão electrizante em Hurt Locker como Newman em Hud.

O Tosar é, precisamente isso, assombroso. Há muito tempo. E o Firth um verdadeiro sir ;-)

um abraço


De Filipe a 29 de Dezembro de 2010 às 17:50
Uma lista competente (dos 10 nomes), com alguns nomes com os quais concordo mas outras em que, apesar de excelentes interpretações, não incluiria numa lista minha... Gosto muito de ver Di Caprio na lista mas nunca o colocaria em 1º lugar, mesmo justificando a distinção não pelos 2 filmes deste ano mas pelo trabalho que tem vindo a realizar... Além do mais, considero a sua performance em "Shutter Island" superior à de "Inception". O meu 1º lugar pertence destacadamente a Colin Firth, numa interpretação notável numa personagem verdadeiramente singular; Gostei também da inclusão de Mortensen e de Clooney (bem melhor em "The American" do que em "Up in the air"). Percebo a presença de Eisenberg na lista, tem uma interpretação sólida e é um actor com excelente futuro mas penso que em determinados momentos do filme a sua personagem perde força e é "colocado de parte" por alguns secundários... Não vi ainda "Celda 211" nem "My son...". Também é de notar a ausência de algumas interpretações em filmes menos comerciais (que talvez não foram vistos), especialmente mulheres, onde destacaria a assombrosa Hye-ja Kim em "Madeo", a desconcertante Giovanna Mezzogiorno em "Vincere", a magnetizante Magaly Solier em "La teta asustada" e a revelação do ano Katie Jarvis em "Fish tank".


De Miguel Lourenço Pereira a 30 de Dezembro de 2010 às 08:17
Filipe,

Também eu acho que Shutter Island é uma performance mais apaixonante do que Inception e para mim não é só a grande performance individual do ano como uma das melhores de uma carreira que conta já com um grande número de shows.

Firth é excelente certamente e poderia ter perfeitamente ganho o Óscar diante de um Bridges em piloto auotmatico. Quanto às performances que mencionas, vi o Fish Tank em 2009 e contabilizei-o como tal, é interessante mas não me convence totalmente. Quando aos restantes filmes que falas, não os vi, excepto La Teta Asustada, também em 2009 e não me tocou tanto quanto, por exemplo, Tambien la Lluvia, filme espanhol nomeado ao Óscar também rodado no coração da América Latina e que mergulha no universo da crise emocional de uma região em constante trauma psicológico.

um abraço


Comentar post

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

.Fundamental.

EnfoKada

.Janeiro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


.Ultimas Reviews

Midnight in Paris -
The Ides of March -
A Dangerous Method -
Tinker Taylor Soldier Spy -
Drive -

.Classificação

Excelente-
Muito Bom-
Bom -
Aceitável-
Evitar-

.Pesquisa

 

.Ultimas Actualizações

. Por uma definição justa d...

. Oscarwatch - Melhor Filme...

. Oscarwatch - Melhor Argum...

. Oscarwatch - Melhor Actor...

. Oscarwatch - Melhor Actri...

.Do Autor

Em Jogo

.Categorias

. biografias

. cinema

. corpos...

. estreias

. festivais

. historia opinião

. mitos

. noticias

. obituario

. opinião

. oscares

. oscarwatch 2008

. oscarwatch 2009

. oscarwatch 2010

. oscarwatch 2011

. premios

. reviews

. rostos

. that´s the movies

. trailers

. todas as tags

.Blogs

35mm
7CineArt
A Gente Não Vê
A Última Sessão
Action Screen
Alternative Prision
Ante-Cinema
Antestreia
A Última Sessão
Avesso dos Ponteiros
Bela Lugosi is Dead
Blockbusters
Cantinho das Artes
Cine31
CineBlog
CineLover
CinemeuBlog
CineObservador
CineRoad
CineLotado
Cinema is My Life
Cinema Notebook
Cinema´s Challenge
Cinema Xunga
Cinematograficamente Falando
CinePT
Close Up
Cria o teu Avatar
Depois do Cinema
Dial P for Popcorn
Ecos Imprevistos
Estúpido Maestro
Febre 7 Arte
Final Cut
Grandes Planos
Gonn1000
Grand Temple
High Fidelity
In a Lonely Place
Jerry Hall Father
Keyser Soze´s Place
Maus da Fita
Movie Wagon
Mullolhand CineLog
My One Thousand Movies
My SenSeS
Noite Ameriana
Ordet
O Homem que Sabia Demasiado
O Sétimo Continente
Os Filmes da Gema
Pixel Hunt
Pocket Cinema
Portal do Cinema
Royale With Cheese
Split Screen
The Extraordinary Life of Steed
Um dia Fui ao Cinema
Voice Cinema



.Sites

c7nema
CineCartaz
Cine Estação
Cinema2000
Cinema-PT Gate
DVD Mania
DvD.pt
Em Cena
Lotação Esgotada
Cine História
Cinemateca Lisboa
Eu sou Cinéfilo
Portal Cinema

American Film Institute
British Film Institute
Cahiers du Cinema
Cinémathèque Francaise
Directors Guild of America
Internet Movie Database
Motion Picture Association
Screen Actors Guild
Screen Writers Guild
Sight and Sound
Telerama

Box Office Mojo
Coming Soon
Dark Horizons
Hollywood Reporter
JoBlo
Latino Review
Movie Poster

Premiere
Rope of Silicone
Rotten Tomatoes
Slash Film

Sun Times Chicago

Variety

.Premios e Festivais

Cesares
European Film Awards

Golden Globes
Goya

Oscares

Animation Film Fest
European Film Festival
Festival de Berlim
Festival de Cannes
Festival de S. Sebastian
Festival de Sundance
Festival de Veneza
Roma Film Festival
São Paulo Film Fest
Sitges Film Festival
Toronto Film Festival

Algarve Film Festival
Ao Norte!
Avanca
Black and White
Caminhos
Cinamina
Corta!
Curtas Vila do Conde
DOCLisboa
Fantasporto
FamaFest

Festroia

FIKE
Funchal Film Fest
Imago
Indie Lisboa
Ovar Video

.Oscarwatchers

And the Winner is...
Awards Daily
In Contention
Golden Derby
MCN Weeks
The Envelop
The Carpetbagger
Thompson on Hollywood

.Arquivos

. Janeiro 2013

. Fevereiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

.subscrever feeds