Terça-feira, 21 de Junho de 2011

Midnight in Paris - As paixões de Allen

Diz-se que quando um adolescente está apaixonado é impossível que não se note. As paixões cinematográficas são assim, transparentes como o celulóide e não é preciso olhar para Woody Allen para saber que nele algures se encontra uma profunda tatuagem que diz "Paris Je T´Aime". O seu mais recente filme, Midnight in Paris, é uma ode de um eterno apaixonado. Apaixonado pela Cidade-Luz, apaixonado pelas memórias do passado, apaixonado pela beleza das mulheres...apaixonado pela vida. Aos 76 anos Woody Allen está tão apaixonado como um adolescente. Felizmente, isso nota-se...

 

Há três filmes dentro de Midnight in Paris e no final de 95 minutos é impossível que o espectador se decante por apenas um deles.

Mérito de um argumentista-realizador, o último da sua espécie, recheado de uma jovialidade mental que destila cada linha escrita, pensada e filmada. Allen prova com o seu novo filme que o conceito de juventude mental faz muito mais sentido que a idade no bilhete de identidade. Afinal, ninguém imaginaria um filme tão optimista e promissor como esta viagem a Paris, e dentro de Paris às cidades dentro da grande ville.

Woody Allen refresca a sua filmografia - depois de filmes ligeiros como Ill Meet a Tall Dark Stranger ou Whatever Works, sem a intensidade cómica e dramática que consegue aqui - num lance ousado e tremendamente bem sucedido que reforça o seu caracter de cineasta com alma europeia mas olho americano. A forma como filma Paris é claramente a de um turista apaixonado. A forma como a descreve em papel a de um parisino orgulhoso. Talvez, a estas alturas, Allen não seja nem uma coisa nem outra mas quem acompanhou a carreira do nova-iorquino sabe que é difícil encontrar alguém capaz de abandonar uma velha paixão (the Big Apple) por uma nova (Paris) com tamanha clareza. Há uma limpeza emocional em cada frame que acelera o coração de qualquer espectador. Paris merece mais do que uma missa, pensaria Allen, merece parte de mim. E Midnight in Paris é isso mesmo, um regresso aonde nunca saiu. Se o cineasta já tinha decidido acabar um dos seus melhores - e mais subvalorados filmes, Everybody Says I Love You - ao lado do Sena, é com este passeio à chuva, essa chuva que não ousou interromper o baile de Allen com a sua imperdível Goldie Hawn ao som de Cole Porter. Sim, esse mesmo Cole Porter, outra das muitas paixões que vão desfilando por Midnight in Paris. Apaixonado até às entranhas da vida - enquanto outro veterano, Clint Eastwood olha contemplativo para a morte, Allen procura agarrar-se à vida - o cineasta decide fazer do seu último projecto uma compilação de amores. Impossíveis, como só ele, possíveis, só para nós.

 

Como a idade não perdoa nisto da coerência narrativa, Woody Allen já não pode ser Woody Allen.

No entanto o cineasta tem tentado encontrar actores jovens que possam fazer de si mesmo com a mesma autenticidade que só o pequeno judio nova-iorquino é capaz de transmitir. Claro que isso é impossível, Allen é Allen, mas dentro do possível, Owen Wilson revela-se uma escolha mais acertada do que seria supor. Nele vemos o maneirismo, as expressões e os traços do maestro da comédia americana contemporânea. E aceitamos embarcar com ele nessa viagem apaixonada entre presente, passado e pretéritos..

Wilson é Gil Pender, escritor angustiado, guionista de sucesso, preparado para entrar na socialite americana com um casamento onde há de tudo menos amor e atracção sexual (apesar da noiva ser a sempre deslumbrante Rachel McAdams, perfeita no seu papel de irritante noiva da América). A sua devoção por Paris (à chuva) só é superior pela sua admiração pelos anos 20, a sua particular era de ouro. Uma noite, por essas ruas perdidas da capital gaulesa, Gil é transportado no tempo para um mundo onde encontra, frente a frente, os seus (dele, de Allen) grandes ídolos artísticos da era do jazz, charleston, vestido curtos e rostos perdidos no tempo. Hemingway, Fitzgerald, Steiner, Dali, Buñuel, Ray, Matisse, Elliot, todos santos de devoção particular, vão desfilando para deleite de Gil (de Allen...e nossa) e tornam-se elementos definidores da sua própria existência. No entanto como sempre, Allen não é só um apaixonado por Paris (e os primeiros quatro minutos, como um documentário de Jean Vigo, são uma das mais belas declarações de amor a uma cidade que o cinema já viu) ou um apaixonado do passado (e de Cole Porter, inestimável companheiro de viagem). É, sobretudo, um apaixonado por mulheres. Mulheres que, na sua filmografia, mesclam sempre a beleza carnal física com a alma atormentada de artista. E não existe nenhuma actriz no espectro actual capaz de captar esse espírito de forma tão certeira como Marion Cotillard.

A sua Adriana é, sem dúvida, a alma do filme, o outro lado do espelho de Gil (afinal ela também tem direito a ver cumprir o seu sonho), o outro lado de Paris, o outro lado de Inez (como os nomes denunciam que o argumento foi escrito numa viagem às Asturias...) a sonsa americana que prefere uma aventura com o snob intelectual britânico (delicioso, como sempre, Michael Shannon) a entrar nessa espiral de criatividade que rola pela cabeça de Gil. A deslumbrante actriz francesa, talvez o rosto e presença mais icónicos do cinema gaulês desde os dias de Bardot, rouba o coração de Picasso (tratado com um desdém a que Allen não vota o imenso Dali), Hemingway, Gil, Allen e todos nós...Ele serve de fio conductor do filme, de pretexto para viagens ao passado, de pretexto para reencontros no presente (com uma aceitável Carla Bruni num cameo que não lhe fica mal) e para ideias de futuro (e não é também o rosto de Lea Seydoux um dos rostos de futuro do cinema europeu?). Através de Adriana entendemos o porquê das meias-noites de Paris serem tão especiais e, sobretudo, entendemos o porquê de, como Gil, sentir-mos essa eterna nostalgia que só o Sena transmite.

 

Midnight in Paris é um dos melhores filmes da filmografia de Woody Allen. Uma tripla carta de amor com destinatários distintos e sensações encontradas que nos permitem entender que a figura criativa do cineasta nova-iorquino continua viva e de boa saúde. O filme permite entender as grandes paixões da vida, os grandes sonhos do passado e as eternas ilusões do futuro. Allen sempre foi um cineasta que misturou à perfeição o pessimismo crónico do derrotista com o optimismo exagerado do romântico. Poucos filmes sabem captar tão bem essa sua fórmula existencial como esta deliciosa aventura, à chuva claro, passeando de um lado ao outro do rio, olhando para o céu parisino e esperando, apaixonadamente, que soem as badaladas da Cinderela que, no fundo, todos temos dentro de nós...

 

Classificação -

 

Realizador - Woody Allen

Elenco - Owen Wilson, Rachel McAdams, Marion Cotillard

Productora - Mediapro

Classificação - m/12

Categorias:

Autor Miguel Lourenço Pereira às 09:17
Link do texto | Comentar | favorito
4 comentários:
De ArmPauloFer a 21 de Junho de 2011 às 14:03
Bela critica, entusiasmante q.b. e não o tendo visto ainda, já augura vir a ser algo que vai deixar marcas.
Muito interessado em o descobrir um dia destes que seja possível.
Bom blog!


De Miguel Lourenço Pereira a 21 de Junho de 2011 às 14:12
Paulo,

É um filme que vale bem a pena o bilhete, algo que hoje em dia escasseia tremendamente.

Obrigado pelas palavras, sempre bem-vindo!

um abraço


De RJ a 26 de Junho de 2011 às 12:38
Belíssima crítica. Não conhecia o blog, mas parece-me que este texto foi um excelente cartão de visita.
Também sou grande fã de Woody Allen, e aguardo todos os seus filmes com um grau de expectativa elevado, mas conseguiste aumentar ainda mais a minha vontade de ver este Midnight in Paris.

Já agora, dado que o filme ainda não estreou em Portugal, viste-o em França?
Não estou a ser sarcástico, é que com o atraso com que os filmes de Allen chegam ao nosso país, secalhar também o tenho de ir ver ao estrangeiro lol.

Parabéns pelo blog!
Abraço


De Miguel Lourenço Pereira a 28 de Junho de 2011 às 08:42
RJ,

Obrigado pelas palavras, és sempre bem vindo!

Eu vivo no estrangeiro por isso não sei como andam as estreias em Portugal mas depende sempre das distribuidoras. Há filmes que chegam atrasados às salas portugueses em relação a muitos países europeus mas também já vi o contrário, filmes que por Espanha, onde vivo, entram directamente para dvd ou estreiam com meses de atraso depois de terem andado por Portugal.

Um abraço


Comentar post

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

.Fundamental.

EnfoKada

.Janeiro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


.Ultimas Reviews

Midnight in Paris -
The Ides of March -
A Dangerous Method -
Tinker Taylor Soldier Spy -
Drive -

.Classificação

Excelente-
Muito Bom-
Bom -
Aceitável-
Evitar-

.Pesquisa

 

.Ultimas Actualizações

. Por uma definição justa d...

. Oscarwatch - Melhor Filme...

. Oscarwatch - Melhor Argum...

. Oscarwatch - Melhor Actor...

. Oscarwatch - Melhor Actri...

.Do Autor

Em Jogo

.Categorias

. biografias

. cinema

. corpos...

. estreias

. festivais

. historia opinião

. mitos

. noticias

. obituario

. opinião

. oscares

. oscarwatch 2008

. oscarwatch 2009

. oscarwatch 2010

. oscarwatch 2011

. premios

. reviews

. rostos

. that´s the movies

. trailers

. todas as tags

.Blogs

35mm
7CineArt
A Gente Não Vê
A Última Sessão
Action Screen
Alternative Prision
Ante-Cinema
Antestreia
A Última Sessão
Avesso dos Ponteiros
Bela Lugosi is Dead
Blockbusters
Cantinho das Artes
Cine31
CineBlog
CineLover
CinemeuBlog
CineObservador
CineRoad
CineLotado
Cinema is My Life
Cinema Notebook
Cinema´s Challenge
Cinema Xunga
Cinematograficamente Falando
CinePT
Close Up
Cria o teu Avatar
Depois do Cinema
Dial P for Popcorn
Ecos Imprevistos
Estúpido Maestro
Febre 7 Arte
Final Cut
Grandes Planos
Gonn1000
Grand Temple
High Fidelity
In a Lonely Place
Jerry Hall Father
Keyser Soze´s Place
Maus da Fita
Movie Wagon
Mullolhand CineLog
My One Thousand Movies
My SenSeS
Noite Ameriana
Ordet
O Homem que Sabia Demasiado
O Sétimo Continente
Os Filmes da Gema
Pixel Hunt
Pocket Cinema
Portal do Cinema
Royale With Cheese
Split Screen
The Extraordinary Life of Steed
Um dia Fui ao Cinema
Voice Cinema



.Sites

c7nema
CineCartaz
Cine Estação
Cinema2000
Cinema-PT Gate
DVD Mania
DvD.pt
Em Cena
Lotação Esgotada
Cine História
Cinemateca Lisboa
Eu sou Cinéfilo
Portal Cinema

American Film Institute
British Film Institute
Cahiers du Cinema
Cinémathèque Francaise
Directors Guild of America
Internet Movie Database
Motion Picture Association
Screen Actors Guild
Screen Writers Guild
Sight and Sound
Telerama

Box Office Mojo
Coming Soon
Dark Horizons
Hollywood Reporter
JoBlo
Latino Review
Movie Poster

Premiere
Rope of Silicone
Rotten Tomatoes
Slash Film

Sun Times Chicago

Variety

.Premios e Festivais

Cesares
European Film Awards

Golden Globes
Goya

Oscares

Animation Film Fest
European Film Festival
Festival de Berlim
Festival de Cannes
Festival de S. Sebastian
Festival de Sundance
Festival de Veneza
Roma Film Festival
São Paulo Film Fest
Sitges Film Festival
Toronto Film Festival

Algarve Film Festival
Ao Norte!
Avanca
Black and White
Caminhos
Cinamina
Corta!
Curtas Vila do Conde
DOCLisboa
Fantasporto
FamaFest

Festroia

FIKE
Funchal Film Fest
Imago
Indie Lisboa
Ovar Video

.Oscarwatchers

And the Winner is...
Awards Daily
In Contention
Golden Derby
MCN Weeks
The Envelop
The Carpetbagger
Thompson on Hollywood

.Arquivos

. Janeiro 2013

. Fevereiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

.subscrever feeds