Terça-feira, 13 de Janeiro de 2009

Waltz With Bashir - Contar a realidade com lápis e papel...

Documentário animado. Sim, isso mesmo!

Num mundo onde até já os telemóveis servem de câmaras de filmar improvisadas, não espanta ninguém que Ari Folman, o cineasta israelita que viveu a história narrada em Waltz With Bashir, tenha decidido plasmar a sua experiência com lápis e papel. Não se pode tratar este filme como um filme de animação, na mesma estela que o cinema da Pixar, Disney, os mesmo dos produtores asiáticos ou europeus. Aqui a animação é apenas um recurso para narrar uma história real e vivida na primeira pessoa. O traço, realista e extremamente exacto no mínimo detalhe, é para Folman o mesmo que o nevoeiro foi para Alan Resnais quando este inventou essa genialidade que se chama Nuit Et Bruillard há já mais de cinquenta anos. E é bom saber que, passado tanto tempo, nem o passado é esquecido, nem o futuro se reinventa.

A forma é importante – por muito que a critica insista mais na mensagem do filme do que na sua concepção – e é a estrutura deste aterrador documentário que mais fascina. Pela sua simplicidade e pela sua brutal honestidade. Waltz With Bashir vive nesse limbo artístico onde muitos projectos nascem e morrem. Mas sobrevive. Qual guerrilheiro no meio do deserto. Desde os dias de Dali que o desenho sempre foi um dos mais interessantes plasmas dos sonhos (e pesadelos), e aqui, são os sonhos de Folman e dos seus antigos camaradas de armas, que vão ganhando forma. E que transformam uma sucessão de relatos presenciais (de todos os episódios, só dois são inventados, o resto é tudo baseado em feitos verídicos), numa assustadora história bem real.

 

O Bashir da valsa era o líder dos falangistas do Líbano, recém-eleito presidente em 1982, que acabaria por morrer assassinado às mãos dos fundamentalistas palestinianos que tinham feito do país a sua base militar. A vingança daqueles – com o apoio explicito do exército israelita que tinha recentemente invadidado o país – foi um dos maiores massacres da história do Século XX. O que sucedeu nesses dois dias nos campos de refugiados palestinianos de Sabra e Chatila foi algo que envergonhou os que nele tomaram parte. Pessoas como Folman, rapazes então, que pegaram em armas para matar os inimigos de Israel, mas que, depois, simplesmente apagaram da memória essas imagens. Este filme expia esse pecado através de um recuperar de lembranças aleatórias que, juntas, vão dando forma ao pesadelo. A maestria de Folman, o narrador nunca mencionado, em conjugar as histórias, só encontra paralelo na forma como narra os eventos. Aqui não há bons, aqui não há maus. Morreram muitos inocentes, mas o sangue escorreu de ambos os lados. E a luta que começou muitos anos antes viria a prosseguir até aos telejornais de hoje. E face a essa realidade, a dos genocídios passados, presentes e futuros, a visão do cineasta vai-se desenrolando à base de várias personagens que partilham o mesmo problema: todas apagaram (ou tentaram) as memórias desses eventos. Por culpa, por necessidade de acreditar que a vida eram mais discotecas e saídas do que bombas a explodir e corpos a sangrarem-lhes nos braços.

 

Este exército de procura da memória leva a descobrir uma verdadeira geração perdida em Israel. Já não são os exilados que tomaram a terra à força depois do Holocausto, ou os seus filhos directos que defenderam as fronteiras do estado judio. São a terceira geração, que nada quer saber da guerra e que apenas quer viver como qualquer jovem do mundo. Atirados contra as cordas, eles participam. Mas não se enorgulhecem. E por isso procuram esconder a memória num canto escuro. Mas os fantasmas da noite estão aí e por isso este filme funciona mais como uma catarsís colectiva geracional do que um exercício de expiação de culpa individual. No final de contas, é um filme tão realista como o telejornal da manhã, porque se apoia no olhar de quem realmente esteve aí. Mas a sua dimensão poética é omnipresente, dando a cada instante a sensação de que este é apenas mais um desses sonhos onde os cães começam a correr e o precipício abre-se sobre os nossos pés.

 

Classificação – 

 

Realizador – Ari Folman

Productora – Bridgit Folman

Classificação – m/16

Categorias:

Autor Miguel Lourenço Pereira às 04:59
Link do texto | Comentar | favorito

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

.Fundamental.

EnfoKada

.Janeiro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


.Ultimas Reviews

Midnight in Paris -
The Ides of March -
A Dangerous Method -
Tinker Taylor Soldier Spy -
Drive -

.Classificação

Excelente-
Muito Bom-
Bom -
Aceitável-
Evitar-

.Pesquisa

 

.Ultimas Actualizações

. Por uma definição justa d...

. Oscarwatch - Melhor Filme...

. Oscarwatch - Melhor Argum...

. Oscarwatch - Melhor Actor...

. Oscarwatch - Melhor Actri...

.Do Autor

Em Jogo

.Categorias

. biografias

. cinema

. corpos...

. estreias

. festivais

. historia opinião

. mitos

. noticias

. obituario

. opinião

. oscares

. oscarwatch 2008

. oscarwatch 2009

. oscarwatch 2010

. oscarwatch 2011

. premios

. reviews

. rostos

. that´s the movies

. trailers

. todas as tags

.Blogs

35mm
7CineArt
A Gente Não Vê
A Última Sessão
Action Screen
Alternative Prision
Ante-Cinema
Antestreia
A Última Sessão
Avesso dos Ponteiros
Bela Lugosi is Dead
Blockbusters
Cantinho das Artes
Cine31
CineBlog
CineLover
CinemeuBlog
CineObservador
CineRoad
CineLotado
Cinema is My Life
Cinema Notebook
Cinema´s Challenge
Cinema Xunga
Cinematograficamente Falando
CinePT
Close Up
Cria o teu Avatar
Depois do Cinema
Dial P for Popcorn
Ecos Imprevistos
Estúpido Maestro
Febre 7 Arte
Final Cut
Grandes Planos
Gonn1000
Grand Temple
High Fidelity
In a Lonely Place
Jerry Hall Father
Keyser Soze´s Place
Maus da Fita
Movie Wagon
Mullolhand CineLog
My One Thousand Movies
My SenSeS
Noite Ameriana
Ordet
O Homem que Sabia Demasiado
O Sétimo Continente
Os Filmes da Gema
Pixel Hunt
Pocket Cinema
Portal do Cinema
Royale With Cheese
Split Screen
The Extraordinary Life of Steed
Um dia Fui ao Cinema
Voice Cinema



.Sites

c7nema
CineCartaz
Cine Estação
Cinema2000
Cinema-PT Gate
DVD Mania
DvD.pt
Em Cena
Lotação Esgotada
Cine História
Cinemateca Lisboa
Eu sou Cinéfilo
Portal Cinema

American Film Institute
British Film Institute
Cahiers du Cinema
Cinémathèque Francaise
Directors Guild of America
Internet Movie Database
Motion Picture Association
Screen Actors Guild
Screen Writers Guild
Sight and Sound
Telerama

Box Office Mojo
Coming Soon
Dark Horizons
Hollywood Reporter
JoBlo
Latino Review
Movie Poster

Premiere
Rope of Silicone
Rotten Tomatoes
Slash Film

Sun Times Chicago

Variety

.Premios e Festivais

Cesares
European Film Awards

Golden Globes
Goya

Oscares

Animation Film Fest
European Film Festival
Festival de Berlim
Festival de Cannes
Festival de S. Sebastian
Festival de Sundance
Festival de Veneza
Roma Film Festival
São Paulo Film Fest
Sitges Film Festival
Toronto Film Festival

Algarve Film Festival
Ao Norte!
Avanca
Black and White
Caminhos
Cinamina
Corta!
Curtas Vila do Conde
DOCLisboa
Fantasporto
FamaFest

Festroia

FIKE
Funchal Film Fest
Imago
Indie Lisboa
Ovar Video

.Oscarwatchers

And the Winner is...
Awards Daily
In Contention
Golden Derby
MCN Weeks
The Envelop
The Carpetbagger
Thompson on Hollywood

.Arquivos

. Janeiro 2013

. Fevereiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

.subscrever feeds