Sexta-feira, 31 de Outubro de 2008

The Dark Knight - O triangulo perfeito

 

Christopher Nolan tem um grave problema nas mãos. Depois de assinar o brilhante Batman Begins, deu vida a um dos mais espantosos filmes da última década: The Dark Knight (TDK). Quando se roça de tão perto a perfeição, um passo em direcção ao abismo é muito mais fácil. Mas sempre temos o “Cavaleiro das Trevas” para nos mostrar que humanos somos todos. E que todos podem falhar. Mas não é qualquer um que faz do sacrificio pessoal uma arte.

 

Recomeçar de novo foi um passo corajoso em frente. E bem sucedido. Mas todos sabem que o segundo passo é sempre mais perigoso que o primeiro. A audacidade e coragem que se aplaude na primeira vez, é, à segunda, olhada de soslaio muito mais facilmente. Provavelmente não existe uma sequela capaz de ofuscar tanto um primeiro episódio. Não existia, perdão. Até que chegou TDK.

Nolan pode não ser Deus, mas tem um passado para já imaculado (Memento, Batman Begins, The Prestige…)…e um talento fora do normal. Um olho capaz de ver o que os outros nem se atrevem a sonhar. E uma coragem que falta a todos os realizadores da sua geração (e a de muitas outras, passadas e presentes). Um estofo que TDK consagra em cada um dos seus minutos de acção, drama, comédia negra e psicologia humana profunda.  Neste segundo filme (esqueçam os primeiros, até mesmo as duas aventuras “burtunianas” que há beira de Nolan chega a parecer um aprendiz kitsch), há uma dimensão “bigger than life”. E não só quando falamos de Batman/Bruce Wayne, esse mascarado heroico que decidiu resgatar das trevas uma cidade corrumpida até à medúla pelos patrões do crime organizado e pela burocracia governamental. Porque TDK é um triptico fascinante, uma história a tres, onde é impossível encontrar um elo fraco no vértice.

 

As regras do jogo estavam lançadas na última cena de Batman Begins. As cartas estavam na mesa, e o “Homem-Morcego” já sabia quem teria por diante. Um apologista da anarquia, um vilão sem Deus, sem chefe e sem limites. Joker é a máscara, uma máscara tão enigmática e apaixonante como a do cavaleiro da justiça que tem diante de si. Os dois são face da mesma moeda, não no arquétipo do Bem e Mal convencional, mas na forma como levam para as ruas a sua visão pessoal da sociedade. Ambos são párias, marginalizados e perseguidos. Partilham inimigos e métodos. O que os separa é a ténue linha que divide a loucura da razão. Qualquer louco tem razão e qualquer ser racional tem de ter um pouco de loucura. O equilibrio é a etapa mais complexa do processo. A anarquia surpreendente de Joker choca contra o jogo pelas regras (sim, mas quais regras) do Cavaleiro das Trevas. E neste embate particular, que deixa Gotham City e o Mundo praticamente suspensos, é ténue o desiquilibrar da balança. A atirar a moeda ao ar, o exemplo perfeito da evolução Humana. Harvey Dent não é um ser de duas caras até que o transformam num barril de dinamite pronto a explodir. Ele é o equilibrio da balança que Batman procura ser e sabe que nunca poderá alcançar. O equilibrio da balança que Joker teme que realmente exista e tira sentido à sua existencia. Ele é o verdadeiro objecto de disputa dos dois mascarados. Ele é Gotham City, a esperança para uns, a derradeira perdição para outros.

 

E é nesse confronto que ele se revela como o terceiro e decisivo vértice. Mas nem os bons são tão bons, nem os maus tão maus. Batman deseja a vitória de Harvey para retirar-se, para poder voltar a ser o Bruce Wayne que está escondido, à espera de melhores dias. E para ter Rachel. A mesma Rachel que Harvey ambiciona. Mais que o próprio papel de salvador do Mundo. Joker sabe que os seus métodos destructivos não podem destruir directamente Batman. Mas tem o poder de destruir todo aquilo que ele representa e tudo aquilo por ele luta. E é nesse confronto a tres bandas (com direito a romance e muito, muito humor negro pelo meio) que se vai desenhando um filme de cortar a respiração, num dos mais poderosos argumentos dos últimos anos. Um verdeiro tratado de como colar o espectador à cadeira até à última linha dos créditos finais.

 

O apartado técnico de TDK é a alavanca necessária para dar realismo à história. Do som à fotografia, dos cenários modernistas aos espectaculares efeitos especiais (e ao contrário do que se possa pensar, neste filme de “acção” os efeitos visuais contam muito menos que os efeitos “psicologicos”) tudo está desenhado a regua e esquadro para ser perfeito. E para abrir passo às verdadeiras estrelas. Nolan tem-se revelado um eximio director de orquestra, e os seus intérpretes são estrelas de primeira linha. Christian Bale é o perfeito anti-heroi do novo século, misterioso e amargado, que encarna o melhor dos “angry young men`s” e o espirito do novo milénio. O seu Batman é das mais deliciosas criacções por parte de um actor, se temos em conta de que a personagem original, apesar de já de si interessante, ser muito mais plana do que a dimensão que o actor gales consegue transmitir. Como tem vindo a mostrar sucessivamente, Bale é um dos grandes da actualidade, e a sua “explosão” definitiva è já uma realidade. No outro vértice um testamento escrito a ouro e com um sorriso mórbido. Que Heath Ledger era um dos actores com mais potencial de Hollywood, não havia muitas dúvidas. Mas que era capaz de criar do zero uma personagem tão genial e atormentada como o “seu” Joker, já é passar a outra liga. O génio de Ledger é, em muitos aspectos, a alma do filme. Atormentado, negro e fatal. A sua parábola da cara rasgada é a sumula perfeita do vilão moderno, sem estigmas nem esteriótipos. A sua interpretação é uma joia para a eternidade. O actor foi-se, mas a obra, essa, nunca perecerá. De tal forma que, com dois monstros destes, é fácil esquecer o terceiro ponto do triangulo. E tal como na narrativa, também na realidade é o desempenho de Aaron Eckhart (um desses outsiders incompreendidos) que equilibra a balança da história, que traz humanismo e desespero a um mundo de herois e vilões.

 

Será dificil encontrar um filme tão completo no espectro cinematográfico contemporaneo. Haverá os mais idealistas e independentes, os mais comerciais e bem sucedidos e os meninos queridos da critica. Mas dificilmente conseguirão encher tão claramente o cofre mágico, como o faz TDK. Tem os condimentos necessários de acção para criar dinamismo a uma história perfeitamente desenhada. Tem um cenário e um ambiente detalhados ao pormenor para abrir passo a interpretações de primeiro nivel. E tem um maestro que sabe coordenar, do primeiro ao último segundo, do mais humilde figurante à maior das estrelas, cada um dos elementos do seu filme. The Dark Knight é o protótipo do filme moderno. Perfeito, talvez não…mas também é preciso ter cuidado com os objectivos…afinal, sempre vai haver uma terceira parte.

 

Classificação -

 

Realizador – Christopher Nolan

Elenco – Christian Bale, Heath Ledger, Aaron Eckhart, …

Productora – Warner Bros.

Classificação – m/16

Categorias:

Autor Miguel Lourenço Pereira às 00:27
Link do texto | Comentar | favorito
2 comentários:
De Gustavo a 1 de Novembro de 2008 às 03:37
Portentoso em escopo, mas sem deixar de se focar no intimismo de suas personagens, sejam elas principais ou secundárias.
Um filme que transcendeu o rótulo de adaptação de "banda desenhada".

Cumps.


De Miguel Lourenço Pereira a 4 de Novembro de 2008 às 14:37
Efectivamente Gustavo, é um filme portentoso que não depende dos habituais clichés dos amantes de comics. Um filme para todos feito com um toque de mestria e classe que é habitual em Nolan, que ameaça tornar-se num dos grandes cineastas da década e um dos realizadores com maior futuro (e presente).

Obrigado igualmente pelo comentário simpático no Império Cinéfilo. Tentei comentar aí mas nao me permitiu.

Um abraço


Comentar post

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

.Fundamental.

EnfoKada

.Janeiro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


.Ultimas Reviews

Midnight in Paris -
The Ides of March -
A Dangerous Method -
Tinker Taylor Soldier Spy -
Drive -

.Classificação

Excelente-
Muito Bom-
Bom -
Aceitável-
Evitar-

.Pesquisa

 

.Ultimas Actualizações

. Por uma definição justa d...

. Oscarwatch - Melhor Filme...

. Oscarwatch - Melhor Argum...

. Oscarwatch - Melhor Actor...

. Oscarwatch - Melhor Actri...

.Do Autor

Em Jogo

.Categorias

. biografias

. cinema

. corpos...

. estreias

. festivais

. historia opinião

. mitos

. noticias

. obituario

. opinião

. oscares

. oscarwatch 2008

. oscarwatch 2009

. oscarwatch 2010

. oscarwatch 2011

. premios

. reviews

. rostos

. that´s the movies

. trailers

. todas as tags

.Blogs

35mm
7CineArt
A Gente Não Vê
A Última Sessão
Action Screen
Alternative Prision
Ante-Cinema
Antestreia
A Última Sessão
Avesso dos Ponteiros
Bela Lugosi is Dead
Blockbusters
Cantinho das Artes
Cine31
CineBlog
CineLover
CinemeuBlog
CineObservador
CineRoad
CineLotado
Cinema is My Life
Cinema Notebook
Cinema´s Challenge
Cinema Xunga
Cinematograficamente Falando
CinePT
Close Up
Cria o teu Avatar
Depois do Cinema
Dial P for Popcorn
Ecos Imprevistos
Estúpido Maestro
Febre 7 Arte
Final Cut
Grandes Planos
Gonn1000
Grand Temple
High Fidelity
In a Lonely Place
Jerry Hall Father
Keyser Soze´s Place
Maus da Fita
Movie Wagon
Mullolhand CineLog
My One Thousand Movies
My SenSeS
Noite Ameriana
Ordet
O Homem que Sabia Demasiado
O Sétimo Continente
Os Filmes da Gema
Pixel Hunt
Pocket Cinema
Portal do Cinema
Royale With Cheese
Split Screen
The Extraordinary Life of Steed
Um dia Fui ao Cinema
Voice Cinema



.Sites

c7nema
CineCartaz
Cine Estação
Cinema2000
Cinema-PT Gate
DVD Mania
DvD.pt
Em Cena
Lotação Esgotada
Cine História
Cinemateca Lisboa
Eu sou Cinéfilo
Portal Cinema

American Film Institute
British Film Institute
Cahiers du Cinema
Cinémathèque Francaise
Directors Guild of America
Internet Movie Database
Motion Picture Association
Screen Actors Guild
Screen Writers Guild
Sight and Sound
Telerama

Box Office Mojo
Coming Soon
Dark Horizons
Hollywood Reporter
JoBlo
Latino Review
Movie Poster

Premiere
Rope of Silicone
Rotten Tomatoes
Slash Film

Sun Times Chicago

Variety

.Premios e Festivais

Cesares
European Film Awards

Golden Globes
Goya

Oscares

Animation Film Fest
European Film Festival
Festival de Berlim
Festival de Cannes
Festival de S. Sebastian
Festival de Sundance
Festival de Veneza
Roma Film Festival
São Paulo Film Fest
Sitges Film Festival
Toronto Film Festival

Algarve Film Festival
Ao Norte!
Avanca
Black and White
Caminhos
Cinamina
Corta!
Curtas Vila do Conde
DOCLisboa
Fantasporto
FamaFest

Festroia

FIKE
Funchal Film Fest
Imago
Indie Lisboa
Ovar Video

.Oscarwatchers

And the Winner is...
Awards Daily
In Contention
Golden Derby
MCN Weeks
The Envelop
The Carpetbagger
Thompson on Hollywood

.Arquivos

. Janeiro 2013

. Fevereiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

.subscrever feeds