Terça-feira, 27 de Janeiro de 2009

Revolutionary Road - Rua dos Sonhos Desfeitos

 O sonho americano ao contrário. Desfeito. Destroçado em mil estilhaços que rasgam a monótona vida numa rua dos subúrbios de uma qualquer cidade norte-americana. Uma rua onde cada sonho se desfaz paulatinamente. Onde o betão recém-colocado, os jardins cuidados ao detalhe e os sorrisos falsos e podres destroem os sonhos daqueles que um dia sonharam em viver. Uma rua onde a desgraça não é a morte. É o progressivo definhar do dia a dia. Uma rua por onde todos já passamos e onde a maioria do Mundo vive mesmo sem se dar conta.

 
Revolutionary Road é um caminho rumo ao abismo da existência humana. O insuportável vazio da vida dos nossos dias é retratado aqui com uma crueza impiedosa. Todos os sonhos são pisados até não restar nem vislumbre de ilusão. Todos os sorrisos rasgam os rostos e transformam-se em expressões de horror e dor. O filme é, mais do que um tratado sobre o falhanço do American Dream (e o European Dream e todos os Dreams urbanos do século XX). É uma profunda análise da impotência do Ser Humano face à implacável passagem do tempo e o consequente fim de cada uma das ilusões que foi acalentando ao longo da vida.E é nessa teia da aranha onde caem os Wheeler, um jovem casal que sonhava em devorar o Mundo, que acreditava ser diferente. Mas que termina os dias entre o vazio de um prisão grande demais para soar acolhedora e um ritual de tédio exasperante ao máximo para cumprir um sonho antigo.  Frank sabe o que não quer – ser igual ao pai e tornar-se, também ele, uma formiga obreira num mundo inexpressivo e sem alma. April sabe bem o que quer, fugir desta prisão castradora que lhe destroçou cada um dos seus sonhos mais puros. Os dois conheceram-se quando ainda podiam dar-se ao luxo de pensar que iriam ser felizes. E agora vivem sob o espectro da frustração constante. E quando a April se lhe ocorre uma última oportunidade para viver, a Frank entra-lhe o pavor da incerteza e o casal dá as mãos para caminhar brutalmente para o fim de qualquer esperança.
 
O poder da mensagem de Revolutionary Road radica na importância que traduz na relação de um casal – para todos visto como exemplar – as marcas que vai deixando o dia a dia. Maternidades não desejadas, ilusões quebradas, amizades forçadas e trabalhos monótonos, tudo o que pauta o dia a dia de tantas famílias, tanto hoje como então naquela América dos 50, onde muitos se permitiram sonhar o que poucos acabariam por conseguir viver. Sair da norma mecânica em que se tornou a vida da sociedade ocidental é o primeiro passo rumo à loucura. E é precisamente essa loucura que entra de rompante em Revolutionary Road para deixar, por uma vez, claro, que a vida é impiedosa com aqueles que querem ser algo mais que simples peões. A sanidade torna-se em loucura, a vida perde pontos para o poder espectral da morte e a crueza do real asfixia a pureza do ilusório. Em cada momento salta-nos à cabeça a desértica rua onde vivem os Wheeler, que de ponte para uma vida melhor e livre se transforma no vazio de toda a sua existência. A rua que Frank percorre no final será o seu fim como Ser Humano. Porque viver e existir são claramente dois conceitos bem distintos.
 
A magia do filme radica em dois pilares fundamentais, daqueles que são capazes de fazer com que um bom filme se transforme numa obra inesquecível. Por um lado o trabalho de esteta de um homem com uma visão para lá do habitual, capaz de compreender que para dar profundidade ao conteúdo é preciso tem em atenção à forma. Sam Mendes nunca deixa nada ao acaso. Cada plano é filmado com uma naturalidade abrumadora, uma beleza desesperante. Aquele recanto do Mundo tão angustiante é traduzido de forma onirica, provando que até os sonhos podem enganar. O trabalho de acompanhamento sonoro, como sempre na sua obra, é fundamental para pautar o ritmo e é, acima de tudo, esse olhar profundamente analítico que consagra Mendes como o artesão capaz de arrancar as mais profundas dúvidas do interior mais escondido da alma humana.
 
Como American Beauty e principalmente, como Jarhead, em Revolutionary Road o ritmo é pausado o suficiente para que nada seja deixado ao acaso. Mas sem nunca perder o dinamismo necessário para transformar o conto de fadas de um jovem casal numa descida ao mais profundo dos Infernos. E como se sabe não são muitos aqueles que possuem a coragem e o know-how para empreender essa viagem. Mas se há algo consensual em Revolutionary Road é que temos, frente a frente, não o casalinho que encantou o público dos anos 90 em Titanic, mas dois dos mais geniais actores da actualidade. A carnalidade de Kate Winslet, no papel mais devastador até à data na sua já brilhante filmografia, é avassaladora. Winslet é mais do que uma grande actriz, em Revolutionary Road é uma alma errante à procura do rumo, uma borboleta presa num copo de vidro que contempla o Mundo lá fora mas que não consegue sair. E que entende, a cada segundo que passa, o quão fútil e limitada é a sua existência. Winslet apaixona pela sua pureza da mesma forma que Leonardo Di Caprio – cada vez mais homem, cada vez mais actor – repulsa pela sua fraqueza. Mas uma falsa fraqueza, atenção. Frank é só culpado de não conseguir ver para além das circunstâncias, de não acreditar que o sonho comanda a vida. Resignado a ser apenas, um pouco mais do que a geração que o antecedeu, Frank não consegue encontrar forças para dar o salto. E com isso cai também ele, lentamente, nesse buraco. Do lado de fora, qual espectador, há um extraordinário Michael Shannon, o espectro de razão no meio de tanta loucura, o louco irremediável no centro de um mundo exageradamente lúcido.
 
Complicado é olhar para Revolutionary Road e ver a crueldade que pauta cada uma das suas sequências. Apesar de se desenrolar há cinquenta anos, consegue ser mais actual que American Beauty. Num ano marcado pelo optimismo do "yes we can" de Obama, parece que poucos se lembram de que o dia a dia poucos conseguem captar a profundidade da mensagem de Mendes. Capta a essência do desespero da massa anónima de hoje. Dos que já se deram conta de que, também eles, correm o risco de nunca saltarem a vedação. E dos que ainda andam adormecidos, acreditando que Paris está ao virar da esquina. Ou, pelo menos, que há algo para lá daquela eterna viagem de comboio ou do silencio de um lar corrompido da pureza de quem sonhou um dia em ser feliz.  

  

Classificação -

 

Realizador - Sam Mendes

Elenco - Kate Winslet, Leonardo Di Caprio, Michael Shannon

Productora - DreamWorks

Categorias:

Autor Miguel Lourenço Pereira às 03:48
Link do texto | Comentar | favorito
4 comentários:
De Manuel Martins a 27 de Janeiro de 2009 às 13:57
Ainda não vi o revolucionary road mas gostei da review. Mais profundo do que estava a espera, entao. E parece mais poderoso também. Gosto muito do Sam Mendes, apesar dos poucos filmes. American Beauty sempre foi um dos meus preferidos e o Jarhead é muito bem conseguido...So o Road to Perdition é que me entala um bocado, mas isso é uma tendencia natural dos filmes com o Tom Hanks de há uns anos para cá.

Como ainda não vi o filme, não posso falar muito mas estou a espera de uma banda sonora de qualidade, ao nivel de "American Dream" e "Jesus Walks". Que tal achaste?

abraçoooo atlantico
manel


De Miguel Lourenço Pereira a 27 de Janeiro de 2009 às 21:07
O filme é assombroso, desde já, pela simplicidade com que descreve a crueza narrativa desse vazio. A banda sonora alinha pelo mesmo discurso. Talvez pela época onde se desenrola a acção, talvez pelo ritmo mais pausado da narrativa, não é uma banda sonora com "singles" marcantes como o American Dream do AB ou o Jesus Walks do Jarhead. É uma banda sonora de composição mais clássica, mas de qualquer forma um grande trabalho que ajuda a criar um ambiente quase angustiante ao longo de todo o filme.

Um abraço


De Ze Manuel a 29 de Janeiro de 2009 às 01:08
Gostava de ler uma review sua do Benjamin Button...
Cumprimentos


De Miguel Lourenço Pereira a 29 de Janeiro de 2009 às 09:18
Viva Zé Manuel,

Este fim de semana estarão disponiveis as novas reviews do The Wrestler e do Curious Case of Benjamin Button.

Cumprimentos


Comentar post

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

.Fundamental.

EnfoKada

.Janeiro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


.Ultimas Reviews

Midnight in Paris -
The Ides of March -
A Dangerous Method -
Tinker Taylor Soldier Spy -
Drive -

.Classificação

Excelente-
Muito Bom-
Bom -
Aceitável-
Evitar-

.Pesquisa

 

.Ultimas Actualizações

. Por uma definição justa d...

. Oscarwatch - Melhor Filme...

. Oscarwatch - Melhor Argum...

. Oscarwatch - Melhor Actor...

. Oscarwatch - Melhor Actri...

.Do Autor

Em Jogo

.Categorias

. biografias

. cinema

. corpos...

. estreias

. festivais

. historia opinião

. mitos

. noticias

. obituario

. opinião

. oscares

. oscarwatch 2008

. oscarwatch 2009

. oscarwatch 2010

. oscarwatch 2011

. premios

. reviews

. rostos

. that´s the movies

. trailers

. todas as tags

.Blogs

35mm
7CineArt
A Gente Não Vê
A Última Sessão
Action Screen
Alternative Prision
Ante-Cinema
Antestreia
A Última Sessão
Avesso dos Ponteiros
Bela Lugosi is Dead
Blockbusters
Cantinho das Artes
Cine31
CineBlog
CineLover
CinemeuBlog
CineObservador
CineRoad
CineLotado
Cinema is My Life
Cinema Notebook
Cinema´s Challenge
Cinema Xunga
Cinematograficamente Falando
CinePT
Close Up
Cria o teu Avatar
Depois do Cinema
Dial P for Popcorn
Ecos Imprevistos
Estúpido Maestro
Febre 7 Arte
Final Cut
Grandes Planos
Gonn1000
Grand Temple
High Fidelity
In a Lonely Place
Jerry Hall Father
Keyser Soze´s Place
Maus da Fita
Movie Wagon
Mullolhand CineLog
My One Thousand Movies
My SenSeS
Noite Ameriana
Ordet
O Homem que Sabia Demasiado
O Sétimo Continente
Os Filmes da Gema
Pixel Hunt
Pocket Cinema
Portal do Cinema
Royale With Cheese
Split Screen
The Extraordinary Life of Steed
Um dia Fui ao Cinema
Voice Cinema



.Sites

c7nema
CineCartaz
Cine Estação
Cinema2000
Cinema-PT Gate
DVD Mania
DvD.pt
Em Cena
Lotação Esgotada
Cine História
Cinemateca Lisboa
Eu sou Cinéfilo
Portal Cinema

American Film Institute
British Film Institute
Cahiers du Cinema
Cinémathèque Francaise
Directors Guild of America
Internet Movie Database
Motion Picture Association
Screen Actors Guild
Screen Writers Guild
Sight and Sound
Telerama

Box Office Mojo
Coming Soon
Dark Horizons
Hollywood Reporter
JoBlo
Latino Review
Movie Poster

Premiere
Rope of Silicone
Rotten Tomatoes
Slash Film

Sun Times Chicago

Variety

.Premios e Festivais

Cesares
European Film Awards

Golden Globes
Goya

Oscares

Animation Film Fest
European Film Festival
Festival de Berlim
Festival de Cannes
Festival de S. Sebastian
Festival de Sundance
Festival de Veneza
Roma Film Festival
São Paulo Film Fest
Sitges Film Festival
Toronto Film Festival

Algarve Film Festival
Ao Norte!
Avanca
Black and White
Caminhos
Cinamina
Corta!
Curtas Vila do Conde
DOCLisboa
Fantasporto
FamaFest

Festroia

FIKE
Funchal Film Fest
Imago
Indie Lisboa
Ovar Video

.Oscarwatchers

And the Winner is...
Awards Daily
In Contention
Golden Derby
MCN Weeks
The Envelop
The Carpetbagger
Thompson on Hollywood

.Arquivos

. Janeiro 2013

. Fevereiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

.subscrever feeds