Segunda-feira, 25 de Maio de 2009

Knowing - Saber aos poucos...

 

 

 

 

 

Quando entramos numa sala de cinema, temos sempre a esperança de conseguir entrar no filme que vamos ver. E se há coisa que este Knowing consegue, é isso. Por velhos chavões cinematográficos de suspense, acção e intriga, fixa-nos completamente ao grande ecrã durante quase todo o filme. De quando em quando, dá-nos um tempo para respirar. Mas não o fazemos. Ficamos, antes, a pensar no que é que se está passar e onde é que irá parar. Não é, provavelmente, uma obra que fique na história. Mas é cinema.

Fui ver este Knowing a saber quase nada do que se ia passar. Tinha Nicolas Cage, o que me despertou um bocadinho a vontade de me entregar ao desconhecido, na esperança de reencontrar o meu herói de adolescência, num género de filme parecido com os que me cativaram de inicio. Filmes como Face-Off e The Rock, ou como Family Man e City of Angels ou ainda o mais recente Matchstick Men.
Mas, se esperava algo dentro de algum desses géneros por parte de Cage, a minha expectativa acerca do que se ia passar foi rapidamente abandonada logo aos 10 minutos de filme. Do realizador Alex Proyas, vi o iRobot, com outro velho amigo, o Will Smith. Pensei em algo do género, virado para o futuro através de uma qualquer profecia do passado. Algo com acção, um bocadinho de intriga (o iRobot tem-na, e não é nada má) e ficava-me por aí. Engano meu. Este Knowing começava sombrio, vagamente perturbador, com uma fotografia excelente e detalhes visuais e musicais assombrosos. Recostei-me, à espera do que havia de vir.
Nicolas Cage é o pai de família dedicado e preocupado. É também um homem culto, professor de astro-física e descrente em Deus e no propósito no mundo. Ele acredita, desesperadamente, na aleatoriedade, desde o dia em que a sua mulher morreu. Mas as suas convicções estão prestes a ser abaladas no dia em que, na abertura de uma cápsula do tempo que havia sido enterrada 50 anos antes, o seu filho recebe o estranho papel daquela que fora uma estranha criança. Esse papel, recheado de números, é um mapa temporal de tudo o que aconteceu desde essa data para cá…e daí para diante.
Por esta altura, ao desenhar o filme na minha cabeça, a tal ideia de corrida contra o tempo para impedir a próxima catástrofe não encaixava no estilo denso de narrativa que se estava a construir. E não demorou muito a que as minhas suspeitas fossem confirmadas. Rapidamente o jovem filho de Cage começa a ser visitado por personagens que se escondem no nevoeiro do bosque, muito ao estilo de Shyamalan, e lhe entregam mensagens que vão aos poucos ficando cada vez menos ambíguas e mais assustadoras e reveladoras. O seu papel final, que obviamente não vou revelar, fica durante todo o filme envolto numa névoa assustadora, incorpórea, e que cria uma crescente atmosfera de incerteza no que toca a barreira do real-irreal, em situações e levantar os pêlos do pescoço a qualquer um de nós.
Mas apesar de toda essa força, Proyas tem uma excelente capacidade de colocar em segundo plano a linha de fundo do argumento, enquanto se vão desenrolando os acontecimentos que o pergaminho encerra. Quase que somos desviados para a componente da acção, e esquecemos esse lado sombrio, se não tivermos cuidado. E que cenas fantásticas de acção que este Knowing tem. De facto, as CGI (Computer Generated Images) ganham cada vez mais pontos no cinema e quando são feitas por estúdios de qualidade são tão verosímeis que até assusta. Mas voltando ao filme, não é durante muito tempo que fugimos ao essencial, uma vez que a convergencência das várias intrigas secundárias se torna incontornável. E aí, quando nos começamos a aproximar do final, vamos começando a ficar receptivos a um fecho que certamente vai fugir ao campo do palpável e do compreensível. 
Visualmente, e tal como já escrevi, o filme é muito bom. Os jogos de luz e de sombra, a acompanhar sempre o estado de espírito do momento são de um acerto incrível. Desde o seu lado mais sombrio até ao ofuscante brilho do Sol quando abraça a camada de Ozono, garanto que vos fica na cabeça. Mas mais do que isso, o que me prendeu realmente, desconcertantemente, foi a música. Já há muitos anos que não via um filme de suspense com a sonografia tão bem escolhida e montada. Prende. Mesmo, daquele prender fortíssimo, à antiga, à Hitchcock. Tudo junto, com a excelente performance de Cage e dos miúdos, temos um resultado final muito melhor do que o esperado, e que não nos deixa descolar do ecrã. Porque no fundo de toda a acção, Proyas consegue introduzir a sempre díficil temática da criação, do futuro e do passado. Da imensidão do cosmos e da sua intemporalidade. Fiquei feliz ao ver pozinhos de Shyamalan ao longo de todo o filme. Gostei de um final que me levou de novo ao Artificial Intelligence de Spielberg. E gostei de uns pozinhos da “Fórmula de Deus” do nosso José Rodrigues dos Santos. E por fim, admiro a imaginação de Proyas e da coragem que tem para a trazer para o grande ecrã. O filme não é, de todo, uma obra-prima, é bom que isso fique claro. Mas é um tipo de filme que faz falta, a ficção-científica e a realidade e a teologia precisam de evoluir juntas, de se cruzar, de nos fazer imaginar mais e mais. Porque, na verdade, sabemos hoje que há muito mais coisas possíveis do que impossíveis de acontecer neste planetazinho que deriva à sua sorte, há ziliões de anos, num cantinho infinitamente pequeno do Universo.
Manuel Antónioo Martins

Classificação -

 

Realizador - Alex Proyas

Elenco - Nicholas Cage, Rose Byrne, Chandler Canterbury

Productora - DreamWorks

Classificação - M/14

 
Esta review de Knowing abre a colaboração regular de Manuel António Martins com o Cinema.

 

Categorias:

Autor Miguel Lourenço Pereira às 21:23
Link do texto | Comentar | favorito

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

.Fundamental.

EnfoKada

.Janeiro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


.Ultimas Reviews

Midnight in Paris -
The Ides of March -
A Dangerous Method -
Tinker Taylor Soldier Spy -
Drive -

.Classificação

Excelente-
Muito Bom-
Bom -
Aceitável-
Evitar-

.Pesquisa

 

.Ultimas Actualizações

. Por uma definição justa d...

. Oscarwatch - Melhor Filme...

. Oscarwatch - Melhor Argum...

. Oscarwatch - Melhor Actor...

. Oscarwatch - Melhor Actri...

.Do Autor

Em Jogo

.Categorias

. biografias

. cinema

. corpos...

. estreias

. festivais

. historia opinião

. mitos

. noticias

. obituario

. opinião

. oscares

. oscarwatch 2008

. oscarwatch 2009

. oscarwatch 2010

. oscarwatch 2011

. premios

. reviews

. rostos

. that´s the movies

. trailers

. todas as tags

.Blogs

35mm
7CineArt
A Gente Não Vê
A Última Sessão
Action Screen
Alternative Prision
Ante-Cinema
Antestreia
A Última Sessão
Avesso dos Ponteiros
Bela Lugosi is Dead
Blockbusters
Cantinho das Artes
Cine31
CineBlog
CineLover
CinemeuBlog
CineObservador
CineRoad
CineLotado
Cinema is My Life
Cinema Notebook
Cinema´s Challenge
Cinema Xunga
Cinematograficamente Falando
CinePT
Close Up
Cria o teu Avatar
Depois do Cinema
Dial P for Popcorn
Ecos Imprevistos
Estúpido Maestro
Febre 7 Arte
Final Cut
Grandes Planos
Gonn1000
Grand Temple
High Fidelity
In a Lonely Place
Jerry Hall Father
Keyser Soze´s Place
Maus da Fita
Movie Wagon
Mullolhand CineLog
My One Thousand Movies
My SenSeS
Noite Ameriana
Ordet
O Homem que Sabia Demasiado
O Sétimo Continente
Os Filmes da Gema
Pixel Hunt
Pocket Cinema
Portal do Cinema
Royale With Cheese
Split Screen
The Extraordinary Life of Steed
Um dia Fui ao Cinema
Voice Cinema



.Sites

c7nema
CineCartaz
Cine Estação
Cinema2000
Cinema-PT Gate
DVD Mania
DvD.pt
Em Cena
Lotação Esgotada
Cine História
Cinemateca Lisboa
Eu sou Cinéfilo
Portal Cinema

American Film Institute
British Film Institute
Cahiers du Cinema
Cinémathèque Francaise
Directors Guild of America
Internet Movie Database
Motion Picture Association
Screen Actors Guild
Screen Writers Guild
Sight and Sound
Telerama

Box Office Mojo
Coming Soon
Dark Horizons
Hollywood Reporter
JoBlo
Latino Review
Movie Poster

Premiere
Rope of Silicone
Rotten Tomatoes
Slash Film

Sun Times Chicago

Variety

.Premios e Festivais

Cesares
European Film Awards

Golden Globes
Goya

Oscares

Animation Film Fest
European Film Festival
Festival de Berlim
Festival de Cannes
Festival de S. Sebastian
Festival de Sundance
Festival de Veneza
Roma Film Festival
São Paulo Film Fest
Sitges Film Festival
Toronto Film Festival

Algarve Film Festival
Ao Norte!
Avanca
Black and White
Caminhos
Cinamina
Corta!
Curtas Vila do Conde
DOCLisboa
Fantasporto
FamaFest

Festroia

FIKE
Funchal Film Fest
Imago
Indie Lisboa
Ovar Video

.Oscarwatchers

And the Winner is...
Awards Daily
In Contention
Golden Derby
MCN Weeks
The Envelop
The Carpetbagger
Thompson on Hollywood

.Arquivos

. Janeiro 2013

. Fevereiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

.subscrever feeds