Segunda-feira, 23 de Fevereiro de 2009

Momentos...

Do triunfo apoteótico de Slumdog Millionaire - coroado pelo sempre sorridente Danny Boyle - aos rostos emocionados de todos no Kodak Theather aquando do discurso de aceitação da familia de Heath Ledger, a noite de ontem dos Óscares da Academia ficou marcada por alguns dos momentos mais emocionantes do ano.

 

Aqui estão alguns exemplos:

 

 

 Sean Penn com o melhor discurso de toda a noite

 

Kate Winslet emocionada pelo primeiro Óscar

 

Danny Boyle exultante com a vitória

A irmã e mãe de Heath Ledger agradecem o Óscar

A equipa de Slumdog festeja o triunfo final

A. R. Rhaman, duplo vencedor por Slumdog

Categorias:

Autor Miguel Lourenço Pereira às 15:13
Link do texto | Comentar | ver comentários (1) | favorito

Slumdog vence cerimónia previsivel mas animada

Cumpriram-se todas as expectativas.

 

Slumdog Millionaire entrou na galeria dos grandes vencedores ao levar para casa 8 estatuetas douradas, menos duas das que optava antes de iniciar-se a cerimónia. Uma vitória arrasadora e indiscutivel que foi bem recebida pela plateia do Kodak Theather.

 

Numa noite onde a grande estrela acabou por ser Hugh Jackman (excelente trabalho como mestre de cerimónias numa gala com um ritmo avassalador), o filme de Danny Boyle imperou e manteve em alta o espirito de optimismo que o converteu no favorito de quase todos os espectadores neste periodo de prémios. Onde conseguiu a consagração definitiva.

 

A cerimónia serviu igualmente para consagrar dois dos grandes actores da sua geração. Kate Winslet venceu finalmente o seu ansiado Óscar, por The Reader, enquanto que Sean Penn voltou a não permitir o comeback que todos desejavam, e bateu o seu amigo Mickey Rourke, a quem dedicou a estatueta. Um dos momentos mais emotivos da noite.

 

Emoção igualmente na forma original como a familia de Heath Ledger recebeu o Óscar que o australiano recebeu, a titulo postumo, pelo seu desempenho assombroso como The Joker em The Dark Knight. O filme de Nolan foi o unico que bateu Slumdog Millionaire (em Ediçao Sonora) e levou duas estatuetas para casa, as mesmas de Milk. The Curious Case of Benjamin Button ficou-se por tres e The Reader apenas conquistou uma, o mesmo que The Duchess. Frost/Nixon foi o grande derrotado voltando para casa de mãos vazias.

 

Outra surpresa foi a vitória do japones Departures sobre Waltz with Bashir e Entre Les Murs, na categoria de Filme Estrangeiro, enquanto que Man on Wire e Wall-E venceram, como se esperava nas categorias de Documentario e Filme Animado.

 

A cerimónia ficou igualmente marcada pela entrega do prémio Jean Hersholt a Jerry Lewis e por uma lavagem de cara que foi aprovada por todos. Uma cerimónia mais voltada para os actores - a nova e originalissima forma de apresentar os ganhadores das categorias de representação foi um achado - e repleta de bons momentos musicais.

 

No final cumpiram-se as previsões e o que faltou em emoção, conseguiu-se em diversão. E para o ano há mais!

Categorias:

Autor Miguel Lourenço Pereira às 14:59
Link do texto | Comentar | ver comentários (2) | favorito

É a magia, estúpidos!

Os Oscares têm destas coisas. Deixam-nos expectantes durante meses a fio. E depois de umas poucas horas acabam. E tudo fica marcado para a história e escondido, num canto da memória. Até ao ano que vem. E depois há aqueles momentos que se eternizam no tempo. E que deixam no ar as questões que realmente importam.

 
Na cerimónia da última madrugada assistimos à consagração de um dos mais apaixonantes fenómenos de popularidade dos últimos anos. Um pequeno filme, rodado quase sem meios e sem nomes de luxo para preencher a letras gordas os cartazes de publicidade, bateu o pé aos gigantes e assumiu-se como o filme do ano. Já o tinha feito para um sem número de associações. Mas o que conta são estas pequenas estatuetas douradas. E conseguiu levá-las para casa, com a ratice de um menino de rua esfomeado. E enquanto os velhos do Restelo e os mais anti-Óscares se queixam de que falta a este pequeno filme esse traço de grandeza artístico-intelectual, a Academia responde com uma vitória categórica. E envia a mensagem: É a Magia, estúpidos!
 
Slumdog Millionaire é um filme mágico que irradia boa disposição, sorrisos e uma sensação de paz interior atípica no cinema dos dias de hoje. E consegue-o sem nunca abandonar o caminho da excelência. E isso é um mérito numa era onde a ânsia de lucro e o poder do star-system condena, quase desde a raiz, qualquer projecto ambiciosamente bem disposto. E os que por aí passam, são mutilados imediatamente pela crítica, sempre à procura do próximo filme negro e pessimista para elevar aos panteões dos Deuses da Arte que é a sétima na ordem, a primeira na magia. E é essa magia que Slumdog evoca. Os sorrisos nos primeiros Chaplin, o rosto do pequeno de The Kid é também o rosto de Jamal, quando contempla o Taj Mahal pela primeira vez. É a mensagem da bondade do destino que evocava Capra nas primeiras obras. E é, acima de tudo, a magia do original, do diferente, ao ritmo de uma banda sonora hipnotizante, por contradição a todas essas composições clássicas imaculadas que se repetem no tempo e espaço.
 
A vitória de Slumdog Millionaire é a vitória da magia cinematográfica. Não é a coroação do melhor filme do ano. Até porque isso é sempre subjectivo, convenhamos. Nem do mais arrojado projecto. Ou do mais artístico. Mas é aquele que mais depressa conquistou os corações do público. Aquele que ficará na memória. Daqui a um boa dezena de anos, The Curious Case of Benjamin Button tornar-se-á provavelmente num filme de culto para uma minoria selecta. Milk um ícone da comunidade gay, e pouco mais. Frost/Nixon cairá no esquecimento quase tão depressa como The Reader. E quando aos ausentes, WALL-E será ainda um marco, mas certamente já haverá meia dúzia de filmes melhores saídos daquela fábrica mágica que é a Pixar. The Dark Knight continuará a ser um ícone do seu género. E Revolutionary Road certamente será recuperado pela geração seguinte à que desprezou este fantasma do vazio.
 
Mas Slumdog Millionaire continuará a ser ele próprio. E certamente aqueles rostos endiabrados continuarão a recolher sorrisos. E no final todos torceremos de novo para que Jamal acerta a resposta que se lhe faz durante todo o filme. E que o destino se cumpra. A Academia fez a parte dela. Imortalizou-o. O tempo fará o resto.

Autor Miguel Lourenço Pereira às 00:01
Link do texto | Comentar | ver comentários (3) | favorito
Domingo, 22 de Fevereiro de 2009

Hoje, 1 da manhã hora portuguesa

Começa. E tres horas depois...termina mais um ano cinéfilo.

 

Slumdog é o favorito. Tudo pode acontecer nas restantes categorias.

 

É o espectáculo de Hollywood na cerimónia mais fascinante da indústria do entretenimento.

 

Welcome to the Oscars!

 

Categorias:

Autor Miguel Lourenço Pereira às 15:35
Link do texto | Comentar | ver comentários (2) | favorito
Sábado, 21 de Fevereiro de 2009

Oscarwatch 2008 - Melhor Filme

É provavelmente uma das certezas mais concretas da última década. Não que nos anos anteriores tenhamos vivido um verdadeiro suspense (desde as vitórias de Crash e Million Dollar Baby que os Óscares de Melhor Filme voltaram a ser bastante previsíveis), mas este ano o triunfo de Slumdog Millionaire está garantido.

 
O filme venceu todos – sem excepção – os grandes percursores necessários para afirmar, com certeza quase absoluta, que será o filme do Ano. Para lá dos prémios da crítica, onde começou a levar-se finalmente a sério esta história de um underdog nos bairros de lata de Bombaim, o filme ganhou os Globos, os BAFTA, o elenco dos SAG, o WGA, o PGA e o DGA. Enfim, quase nada.
 
Não será necessariamente o filme do ano – no futuro provavelmente haverá títulos que deixem mais mossa – mas é o mais consensual, em particular dentro do sistema. E isso é mais do que meio caminho para o ouro. Slumdog Millionaire, a história de Jamal, um jovem que por amor decide concorrer ao programa Who Want´s to be a Millionaire local e, para espanto de todos, chega à última pergunta, nunca teve um verdadeiro rival. É por isso complicado falar em alternativas.
 
No entanto já aconteceram surpresas no passado e há dois filmes que não devem ser totalmente descartados.
 
Por um lado, o mais forte rival será certamente a grande surpresa na altura das nomeações. The Reader é uma aposta forte dos irmãos Weinstein. Conta com o capital de sensibilização humano, por ter sido produzido por dois grandes da indústria, falecidos este ano (Sidney Pollack e Anthonhy Mingella), é um filme sobre o Holocausto, que sempre cai bem à Academia e está dirigido pelo único cineasta que conta por filmes realizados o número de nomeações conseguidas (Billy Elliot, The Hours e agora The Reader), o britânico Stephen Daldry. À parte disso a performance de Kate Winslet tem a forte junto do grémio de actores que não terá o desconhecido elenco do filme de Danny Boyle. Certamente será o filme mais votado entre os restantes nomeados, mas será difícil que alcance em votos Slumdog.
 
O outro candidato a ter em linha de conta, especialmente pela onda mais liberal, é Milk. Um filme sobre os direitos cívicos dos homossexuais rodado em formato mainstream é uma grande tentação para uma indústria que ainda se envergonha da condição de muitos dos seus membros, mas que não perde oportunidade para lhe piscar, aqui e ali, o olho. No entanto, Brokeback Mountain foi um aviso à navegação e o filme poderá ter de se contentar com o Óscar de Melhor Argumento Original.
 
Quanto ao rei das nomeações, The Curious Case of Benjamin Button, apenas se pode dizer que ninguém teve a coragem de não o nomear mas também ninguém terá coragem de o premiar. Pelo menos nas categorias que contam. O filme que contou com 13 nomeações poderá passar de 13 a 0 Óscares facilmente, mas o provável é que vença, aqui e ali, em algumas categorias técnicas. Na categoria de Melhor Filme é um dos mais improváveis ganhadores já que, apesar de sua legião de apoio (suficiente para o nomear como nenhum outro filme) tem igualmente uma fortíssima legião de detractores.
 
Frost/Nixon, que num outro ano seria o típico filme de Hollywood dirigido por um dos seus artesões mais cotados, este ano passa totalmente despercebido e provavelmente sairá da cerimónia de mãos vazias. Um castigo demasiado pesado para um filme que tem o mérito de provar que há obras de teatro que também funcionam bem em cinema quando se encontra o ângulo certo.
 
 
E O ÓSCAR VAI PARA…
Slumdog Millionaire, sem dúvida alguma!
 
RIVAL
The Reader, conta com a máquina Weinstein e o apoio do sector mais clássico da Academia. Mas não será suficiente!
 
SURPRESA
Milk soa para muitos como o filme certo para a geração Obama – mais do que Slumdog Millionaire – mas Brokeback Mountain já provou que a Academia não é propriamente gay friendly.
Categorias:

Autor Miguel Lourenço Pereira às 12:04
Link do texto | Comentar | ver comentários (1) | favorito
Sexta-feira, 20 de Fevereiro de 2009

Oscarwatch 2008 - Melhor Realizador

Que um realizador veja o seu filme triunfar tão claramente e falhe a estatueta dourada, é uma raridade. Houve quem tivesse vivido esse drama (recentemente Paul Haggis em Crash ou Rob Marshall em Chicago, por exemplo) mas a correlação de forças é tal, que habitualmente a entrega do Óscar de Melhor Realizador retira quase todo o suspense ao prémio final.

 
E se o realizador se chama Danny Boyle e tem no currículo todos os prémios a que concorreu este ano (DGA, Globo de Ouro, BAFTA, esmagadora maioria dos prémios da critica), o cenário torna-se ainda mais claro. O cineasta que começou por surpreender meio mundo com um filme claustrofóbico (Transpotting) e soube tocar no lado mais mole de qualquer coração (Millions) descubriu com Slumdog Millionaire a fórmula perfeita para se estabelecer definitivamente no meio mainstream.
 
O seu trabalho é a trave-mestra do filme – não é um autor na definição mais intelectual do termo, mas dentro da indústria é do que mais se aproxima ao conceito – e o mérito e sucesso de Slumdog é muito dele.
 
De tal forma que praticamente não tem rivais.
 
Provavelmente o único que poderia consegui-lo seria Stephen Daldry. O também britânico já conta por nomeações todos os filmes realizados (duas) e é claramente um dos nomes mais respeitados no meio. E The Reader conseguiu no último mês uma vaga de apoio importante. Mas é difícil que chegue a perturbar o tranquilo sucesso que desfruta Boyle e o seu filme.
 
Quanto aos restantes nomeados, as hipóteses são ainda menores. Gus van Sant é demasiado polémico e apesar do grupo de apoio a Milk, o mais provável seria que o filme e o seu actor triunfassem antes que o próprio cineasta. E quanto a David Fincher, dificilmente se verificará um cenário de vitória, particularmente com meio mundo a queixar-se da sua falta de ambição artística, comparado com as suas obras mais frenéticas. Sobra Ron Howard, homem da casa, já vencedor de uma estatueta dourada (2001, A Beautiful Mind) que já deve estar contente por estar entre os nomeados depois de tantos anos.
 
 
E O ÓSCAR VAI PARA…
Depois de ter vencido todos os prémios a que concorria, é impossível imaginar outro nome que não Danny Boyle naquele envelope.
 
RIVAL
Depois de ter conseguido o recorde de ser nomeado por todos os filmes que realizou, Stephen Daldry está-se a tornar num caso muito sério em Hollywood. Começa a parecer inevitável que, tarde ou cedo, terá de vencer. Mas The Reader, por muito bom que seja, conta com um adversário de peso. Noutro ano talvez a vitória tivesse sido sua.
 
SURPRESA
É um nome que tem despertado polémica nos últimos vinte e cinco anos. Já foi nomeado por Good Will Hunting e pela segunda vez que mergulha no mainstream de cabeça (apesar de tratar um tema que lhe é caro) voltou a receber uma nomeação. Gus Van Sant é um artista para os cinéfilos europeus e um ser curioso e demasiado arriscado para o cinéfilo americano. Ve-lo com um Óscar na mão pode parecer um cenário surreal, mas se Milk tivesse uma vaga de apoio similar à que está a receber agora The Reader, podia ser o alvo a abater.
 
Categorias:

Autor Miguel Lourenço Pereira às 15:03
Link do texto | Comentar | favorito
Quinta-feira, 19 de Fevereiro de 2009

Oscarwatch 2008 - Melhor Actor

Há anos que não víamos uma corrida assim. A dois ou, para muitos, a três.

 
Repete-se o mesmo cenário de 2003. Então Sean Penn era favorito, pelo prestigio e pelo filme pelo qual concorria. E o favorito emocional era Bill Murray, que assinava um comeback muito aplaudido também num dos filmes do ano. Por fora corria Johnny Depp que assinava a mais espantosa performance do ano. Ambos tinham conquistado os prémios mais importantes e ambos tinham um forte núcleo de apoio.
 
Ganhou Penn. Este ano é de novo o favorito. E Mickey Rourke encarna perfeição o papel de Murray. Resta saber se o cenário se repete.
 
Sean Penn lidera, mas a vantagem é cada vez mais curta, e se fossemos somar percursores, Rourke ganhava. Mas o prestígio de Penn é grande e poderá suficiente para desequilibrar a balança. E à espera, a correr por fora, não está Jack Sparrow, mas sim Richard Nixon, um desempenho vibrante de Frank Langella, que já lhe deu múltiplos prémios no teatro e poderá agora fazer o mesmo no cinema. Definitivamente não é uma carta fora do baralho.
 
Contentes por ser nomeados estão Brad Pitt e principalmente Richard Jenkins. O primeiro conseguiu superar os preconceitos face ao filme e à sua carreira. Num ano de “limpeza” de Benjamin Button seria favorito. Assim não tem hipóteses. Quanto a Jenkins, estamos diante de reconhecimento de um actor de longo percurso como secundário que consegue o papel da sua vida. E fica o exemplo para o futuro!
 
 
E O ÓSCAR VAI PARA
A corrida é uma das mais disputadas de todos os tempos. Os prémios estão divididos quase por igual (Penn tem o SAG e a critica mais importante, Rourke o Globo e os BAFTA) e há uma sensação de que é necessário premiar o comeback do ano. Mas Milk é um filme com uma fortíssima base de apoio e Sean Penn é um dos maiores nomes da Hollywood dos últimos 20 anos e com o papel de Harvey Milk poderá entrar no selecto clube dos vencedores duplos, depois do triunfo, igualmente polémico (como se pode esquecer a “birra” de Bill Murray) em 2003.
 
RIVAL
Se há alguém capaz de desforrar Murray (outro comeback tão aplaudido, destruído pelo monstruoso papel de Penn em Mystic River) é Mickey Rourke. O actor andou desaparecido durante mais de uma década. Foi recuperado por Robert Rodriguez em Sin City mas foi Darren Aronosfky que lhe deu o papel da sua vida. Em The Wrestler, Rourke é ele próprio num registo em que parece olhar constantemente para o espelho. O desejo de premiar um actor tão promissor caído em desgraça conseguirá mais votos que o próprio desempenho, mas podem não ser suficientes para derrotar Penn.
 
SURPRESA
É provavelmente o melhor desempenho, entre os cinco nomeados. Frank Langella já tinha arrebatado o Tony com a sua reencarnação de Richard Nixon em Frost/Nixon. E se não fosse o duelo de titãs entre Penn e Rourke, poderia ser considerado o favorito a arrebatar o Óscar. Muitos falam que a divisão de votos pode fazer por ele o mesmo que fez por Brody em 2002. Seria uma surpresa merecida, mas mesmo assim, uma grande surpresa.
Categorias:

Autor Miguel Lourenço Pereira às 19:05
Link do texto | Comentar | favorito

Oscarwatch 2008 - Melhor Actriz

É sempre uma das categorias mais surpreendentes de tal forma que é difícil olhar para os últimos trinta anos e encontrar actrizes capazes de repetir triunfos (lembramo-nos de Swank, Foster e Field). É igualmente para muitas actrizes uma categoria quase maldita. Basta ver o que passou à carreira de Charlize Theron, Júlia Roberts, Halle Berry ou Reese Whiterspoon. Este ano no entanto a luta parece ser entre dois verdadeiros pesos pesados, com um total de dezanove nomeações no total.

 
Meryl Streep é uma das grandes de todos os tempos. Kate Winslet a maior dos últimos vinte. Mas a primeira não vence desde 1982 e a segunda nunca ganhou. Será difícil escolher entre duas grandes actrizes e duas óptimas performances mas, neste momento, a britânica parte com ligeira vantagem. Resta saber se consegue quebrar a maldição.
 
Por fora corre Anne Hathaway. Foi favorita, caiu em desgraça e agora terá de rezar por uma forte legião de apoio e uma clara divisão de votos entre Kate e Meryl. O mesmo que passou no ano transacto com a surpreendente Marion Cottilard.
 
Quanto a Angelina Jolie e Melissa Leo, podem agradecer a nomeação. A primeira não terá de passar pelo mesmo desgosto do ano transacto e poderá acompanhar Pitt à cerimónia de cabeça alta. A segunda foi a favorita indie (verdadeiramente “indie”) e a sua nomeação é o equivalente à de Jenkins. Um prémio por um óptimo ano no meio desta festa de glamour.
 
 
E O ÓSCAR VAI PARA
Depois de cinco nomeações pode ser finalmente desta que a britânica Kate Winslet consiga subir ao panteão das vencedoras. E provavelmente não o poderia fazer em melhor ano, já que a sua grande performance, em Revolutionary Road, nem está entre as nomeadas. The Reader revelou-se mais popular e já lhe valeu o BAFTA e o Globo e SAG, estes como secundária, e muitos acham que é a hora de premiar a melhor actriz da sua geração. Mas depois de tantas (injustas) derrotas, até ao anúncio de Daniel Day-Lewis, ninguém acredita verdadeiramente que o prémio está (bem) entregue.
 
RIVAL
Disputa com Katherine Hepburn o título da maior de sempre. Conta com um recorde avassalador de treze nomeações (e duas vitórias, uma por principal e uma como secundária) o que faz dela uma das maiores derrotadas de sempre. Mas Meryl Streep voltou a encontrar este ano uma rival à altura naquela que é, muito provavelmente, a sua sucessora natural. O seu papel em Doubt é fabuloso mas poderá não ser o apelativo suficiente para dar-lhe o terceiro Óscar e assim permitir reduzir a diferença face a Hepburn.
 
SURPRESA
No meio deste conflito de interesses, o nome de Anne Hathaway continua a sussurar por aí. Chegou a ser apontada, até ao final do ano, como a clara favorita. Agora perdeu claramente gás e popularidade. Falhou em arrecadar qualquer prémio importante (Streep venceu o SAG, Winslet o Globo e o BAFTA) e tornou-se apenas numa candidata com potencial. Provavelmente não será desta, mas a verdade é que depois de Rachel is Getting Married, a jovem actriz vai passar a ser um dos nomes a ter em conta no radar da Academia.
Categorias:

Autor Miguel Lourenço Pereira às 15:09
Link do texto | Comentar | favorito

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

.Fundamental.

EnfoKada

.Janeiro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


.Ultimas Reviews

Midnight in Paris -
The Ides of March -
A Dangerous Method -
Tinker Taylor Soldier Spy -
Drive -

.Classificação

Excelente-
Muito Bom-
Bom -
Aceitável-
Evitar-

.Pesquisa

 

.Ultimas Actualizações

. Momentos...

. Slumdog vence cerimónia p...

. É a magia, estúpidos!

. Hoje, 1 da manhã hora por...

. Oscarwatch 2008 - Melhor ...

.Do Autor

Em Jogo

.Categorias

. biografias

. cinema

. corpos...

. estreias

. festivais

. historia opinião

. mitos

. noticias

. obituario

. opinião

. oscares

. oscarwatch 2008

. oscarwatch 2009

. oscarwatch 2010

. oscarwatch 2011

. premios

. reviews

. rostos

. that´s the movies

. trailers

. todas as tags

.Blogs

35mm
7CineArt
A Gente Não Vê
A Última Sessão
Action Screen
Alternative Prision
Ante-Cinema
Antestreia
A Última Sessão
Avesso dos Ponteiros
Bela Lugosi is Dead
Blockbusters
Cantinho das Artes
Cine31
CineBlog
CineLover
CinemeuBlog
CineObservador
CineRoad
CineLotado
Cinema is My Life
Cinema Notebook
Cinema´s Challenge
Cinema Xunga
Cinematograficamente Falando
CinePT
Close Up
Cria o teu Avatar
Depois do Cinema
Dial P for Popcorn
Ecos Imprevistos
Estúpido Maestro
Febre 7 Arte
Final Cut
Grandes Planos
Gonn1000
Grand Temple
High Fidelity
In a Lonely Place
Jerry Hall Father
Keyser Soze´s Place
Maus da Fita
Movie Wagon
Mullolhand CineLog
My One Thousand Movies
My SenSeS
Noite Ameriana
Ordet
O Homem que Sabia Demasiado
O Sétimo Continente
Os Filmes da Gema
Pixel Hunt
Pocket Cinema
Portal do Cinema
Royale With Cheese
Split Screen
The Extraordinary Life of Steed
Um dia Fui ao Cinema
Voice Cinema



.Sites

c7nema
CineCartaz
Cine Estação
Cinema2000
Cinema-PT Gate
DVD Mania
DvD.pt
Em Cena
Lotação Esgotada
Cine História
Cinemateca Lisboa
Eu sou Cinéfilo
Portal Cinema

American Film Institute
British Film Institute
Cahiers du Cinema
Cinémathèque Francaise
Directors Guild of America
Internet Movie Database
Motion Picture Association
Screen Actors Guild
Screen Writers Guild
Sight and Sound
Telerama

Box Office Mojo
Coming Soon
Dark Horizons
Hollywood Reporter
JoBlo
Latino Review
Movie Poster

Premiere
Rope of Silicone
Rotten Tomatoes
Slash Film

Sun Times Chicago

Variety

.Premios e Festivais

Cesares
European Film Awards

Golden Globes
Goya

Oscares

Animation Film Fest
European Film Festival
Festival de Berlim
Festival de Cannes
Festival de S. Sebastian
Festival de Sundance
Festival de Veneza
Roma Film Festival
São Paulo Film Fest
Sitges Film Festival
Toronto Film Festival

Algarve Film Festival
Ao Norte!
Avanca
Black and White
Caminhos
Cinamina
Corta!
Curtas Vila do Conde
DOCLisboa
Fantasporto
FamaFest

Festroia

FIKE
Funchal Film Fest
Imago
Indie Lisboa
Ovar Video

.Oscarwatchers

And the Winner is...
Awards Daily
In Contention
Golden Derby
MCN Weeks
The Envelop
The Carpetbagger
Thompson on Hollywood

.Arquivos

. Janeiro 2013

. Fevereiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

.subscrever feeds